Pular para o conteúdo principal

Postagens

Mostrando postagens de Março, 2009

Só porque eu ouvi duas vezes esta semana e porque amo essa música...

Cartola - As Rosas Não falam


"Bate outra vez
Com esperanças o meu coração
Pois já vai terminando o verão,
Enfim

Volto ao jardim
Com a certeza que devo chorar
Pois bem sei que não queres voltar
Para mim

Queixo-me às rosas,
Mas que bobagem
As rosas não falam
Simplesmente as rosas exalam
O perfume que roubam de ti, ai

Devias vir
Para ver os meus olhos tristonhos
E, quem sabe, sonhavas meus sonhos
Por fim"

Só porque adorei essas fotos...

Dois momentos na casa da Leninha, irmã da Cris. Amei essas fotos!!! :D



Presentinho da Cris... Para mim, que amo Clarice...

"Quando fazemos tudo para que nos amem e não conseguimos, resta-nos um último recurso: não fazer mais nada. Por isso, digo, quando não obtivermos o amor, o afeto ou a ternura que havíamos solicitado, melhor será desistirmos e procurar mais adiante os sentimentos que nos negaram. Não fazer esforços inúteis, pois o amor nasce, ou não, espontaneamente, mas nunca por força de imposição. Às vezes, é inútil esforçar-se demais, nada se consegue; outras vezes, nada damos e o amor se rende aos nossos pés. Os sentimentos são sempre uma surpresa. Nunca foram uma caridade mendigada, uma compaixão ou um favor concedido. Quase sempre amamos a quem nos ama mal, e desprezamos quem melhor nos quer. Assim, repito, quando tivermos feito tudo para conseguir um amor, e falhado, resta-nos um só caminho... o de mais nada fazer.” - Clarice Lispector

E mais uma da Cris, que eu me dei de presente, direto do blog dela - amiga, você é tão pontual!!!
"Não se preocupe em explicar sentimentos. Apenas sinta. …

Queria estar lá, pulando e cantando neste momento!!!

“Devia ter amado mais Ter chorado mais Ter visto o sol nascer Devia ter arriscado mais E até errado mais Ter feito o que eu queria fazer... Queria ter aceitado As pessoas como elas são Cada um sabe alegria E a dor que traz no coração... O acaso vai me proteger Enquanto eu andar distraído O acaso vai me proteger Enquanto eu andar... Devia ter complicado menos Trabalhado menos Ter visto o sol se pôr Devia ter me importado menos Com problemas pequenos Ter morrido de amor... Queria ter aceitado A vida como ela é A cada um cabe alegrias E a tristeza que vier... O acaso vai me proteger Enquanto eu andar distraído O acaso vai me proteger Enquanto eu andar... Devia ter complicado menos Trabalhado menos Ter visto o sol se pôr...”

- Epitáfio - Titãs

Mensagem do Tadashi na íntegra...

Como Silva, não posso - não devo e nem quero - deixar de compartilhar as sábias palavras do Tadashi.
Sei que surgem várias interrogações...
Silva?! Tadashi?! Mensagem?! Basta saber que havia uma Gleide antes... que descobriu outra Gleide depois... que se permitiu ser feliz... que se permitiu se amar... que se permitiu projetar... que se permitiu transformar sonhos em realidade. Milagre?! Pessoal... Psicologia pura!!! :D
Mensagem do Tadashi

"Para começar, reflita como a maioria das pessoas ao seu redor não tem consciência da força dos pensamentos e das palavras.

Acredito que o mundo externo é só um reflexo do seu mundo interno. Ou seja, o que mandamos para ele, ele nos devolve. Como um bumerangue que atiramos e ele volta à nossa mão.

Palavras rudes... Pensamentos negativos e medíocres... Julgamentos... Mentiras... Roubos... Insultos... Egoísmo... Magoar pessoas com palavras ou atitudes...

O mundo é feito de causa e efeito, assim, TUDO que emitimos retornará e seremos obrigados a assumir as conse…

Músicas que me fazem feliz...

Adoro música e isso não é nenhuma novidade. Passei a tarde passeando sobre uns sites, procurando novas ferramentas para o meu blog – apesar de blogueira antiga, só agora estou levando a sério meu compromisso com esse universo - encontrei uma música que amo e que há muito não ouvia: Noturno, Opus 9, de Chopin. Não conhece? Curta um pouco...


Chopin - Noturno Op 9


Tenho uma grande amiga que toca piano. Quando nos conhecemos, toda a vez que eu ia a casa da Camila, eu pedia para ela tocar essa música. É claro que uma hora ela se recusou a tocar para mim!!! Tardes bacanas de 1992, em que ser adolescente era a coisa mais importante do mundo! [risos]

Voltando hoje do Núcleo e ouvindo músicas em meu celular, me veio à cabeça a questão: qual a música mais importante da minha vida? Sinceramente, não sei. São várias. Posso responder qual seria HOJE a música da minha vida. Tão antiga. Tão bonita. Acho que poderia até dizer que é a música de toda a minha vida, porque ela é muito intensa, assim como eu…

Um outro Drummond...

(Ilustração: Caco Xavier)


A língua girava no céu da boca. Girava! Eram duas bocas, no céu único.
O sexo desprendera-se de sua fundação, errante imprimia-nos seus traços de cobre. Eu, ela, elaeu.
Os dois nos movíamos possuídos, trespassados, eleu. A posse não resultava de ação e doação, nem nos somava. Consumia-nos em piscina de aniquilamento. Soltos, fálus e vulva no espaço cristalino, vulva e fálus em fogo, em núpcia, emancipados de nós.
A custo nossos corpos, içados do gelatinoso jazigo, se restituíram à consciência. O sexo reintegrou-se. A vida repontou: a vida menor.

Fragmento do livro "O amor natural", Editora Record – RJ, 1992, pág. 29.

Momento poesia - Carlos Drummond de Andrade...

Canção Amiga Eu preparo uma canção em que minha mãe se reconheça, todas as mães se reconheçam, e que fale como dois olhos. Caminho por uma rua que passa em muitos países. Se não me vêem, eu vejo e saúdo velhos amigos. Eu distribuo um segredo como quem ama ou sorri. No jeito mais natural dois carinhos se procuram. Minha vida, nossas vidas formam um só diamante. Aprendi novas palavras e tornei outras mais belas Eu preparo uma canção que faça acordar os homens e adormecer as crianças. - Carlos Drummond de Andrade Faz tempo que não mergulho nesse universo. Não escrevo poesias, já até me arrisquei, porém sabemos quando temos ou não certas habilidades. Essa eu sei que não tenho. Prefiro então homenagear os – brilhantes – que já existem.

Amo Carlos Drummond de Andrade. Mais que qualquer outro. Adoro sua poesia do cotidiano e sua simplicidade. Na adolescência, época das famigeradas agendas, eu recheava as minhas de recortes de revistas. Sempre presentes muitas poesias: Mário Quintana, Cecília Meirelles, Fernando Pe…

Um blog que é uma lição de vida...

Pessoas como esta mulher é que me fazem gostar de escrever...
Ela, mulher e mãe, que perde seu homem e pai do seu filho dois meses antes do nascimento de Francisco...
O que fazer com a dor? Com o vazio? Com a vida nova que tinha em suas mãos?
Como fazer Francisco saber quem era seu pai?
Criar um blog (que hoje é um livro) e permitir que seu filho saiba que foi muito desejado, que seu pai foi muito amado
e, por que não?, que sua mãe é uma guerreira como muitas outras mulheres brasileiras.
"Para Francisco" - um blog e um livro que todos nós deveríamos ler... por Cristiana Guerra

Para Francisco




Sobre mim...

Para Cris: “afe! eu não me reconheço mesmo em capricórnio!!! rs...
eu sou sonhadora demais, como minha lua em câncer...
e impulsiva demais, como meu ascendente em sagitário...
quem eu sou?!?! rs....”

Para Mi: “Reli meu e-mail agora... quem eu estou querendo enganar?!?!?!?! Já estou apaixonada!!!”

Esses são dois fragmentos de e-mail’s que troquei hoje com a Cris e a Mi. Eles traduzem muito minha personalidade.

Sou de capricórnio, o signo “pé no chão”. Aonde? Quando? Quem? Eu?!?!?!?! Decididamente, devem estar falando de outra pessoa!!!

Trechos de uma combinação entre signos – sim, aqueles bobinhos que todas as mulheres gostam e que combinam nosso signo com o do cara que queremos conquistar! – que a Cris me enviou:

“O jeito sério e conservador de Capricórnio pode se chocar (...) enquanto que Capricórnio gosta de guardar para si os seus sentimentos(...)”

Sou tantas Gleides, tantas mulheres encontram-se dentro de mim, mas ainda não fui apresentada à Gleide conservadora e tão pouco à que guarda par…

Tamu aí prá conhecê...

Eu sempre digo que sou privilegiada, porque fui capaz de criar não uma, mas, algumas amizades verdadeiras. Tenho mais de um ombro amigo com o qual dividir minhas alegrias e minhas tristezas. A Cris, não precisa mais de apresentação. Está sempre aqui, invadindo meu blog e eu o dela. É nela que encontro aporte para esse meu sonho de escrever. E é a que mais compartilha desse prazer comigo.

Todas as minhas amigas são especiais. Tanto pelo jeito de cada uma, tanto pelo simbolismo de nossos vínculos.

Uma delas passou a fazer parte de minha vida há dois anos. Lembro até hoje do primeiro dia de aula, quando nossa professora de Espanhol pediu para nos dividirmos em duplas, para fazermos um exercício. Eu, que nunca estudei uma palavra do idioma de “nuestros hermanos”, me reuni a ela, que estudava espanhol. Desde então, estamos juntas.

A Mi é como uma amiga de infância. Parece que nos conhecemos há muito tempo. Ela conhece o melhor e o pior de mim. Rimos e choramos muitas vezes juntas. É uma menin…

Um brinde à leveza na vida...

“...reflita como a maioria das pessoas ao seu redor não tem consciência da força dos pensamentos e das palavras.
Acredito que o mundo externo é só um reflexo do seu mundo interno. Ou seja, o que mandamos para ele, ele nos devolve. Como um bumerangue que atiramos e ele volta à nossa mão.
Palavras rudes... Pensamentos negativos e medíocres... Julgamentos... Mentiras... Roubos... Insultos... Egoísmo... Magoar pessoas com palavras ou atitudes...
O mundo é feito de causa e efeito, assim, TUDO que emitimos retornará e seremos obrigados a assumir as conseqüências de nossas ações positivas ou negativas.”


Palavras do Tadashi. Que vieram bem a calhar com um compromisso que assumi comigo ontem. TPM, estresses, problemas pessoais... ninguém tem culpa dos meus dramas e problemas! As pessoas não são obrigadas a aturar meu mau-humor, meus momentos de tristeza, minhas frustrações. Não tenho direito de descarregar em ninguém o que me pesa ou o que me sufoca. Por isso, o compromisso: de não descontar em ni…

Dias em que céu azul se torna cinza...

That I would be loved Even when I was fuming That I would be good Even if I was clinging - Alanis Morrissette
Pesado esse título. Essa a melhor definição para mim nos dias em que as três palavrinhas assustadoras tomam conta de mim. É uma mudança brutal de humor. Uma violência contra meu corpo, minhas idéias, minhas emoções. Dias de exercer o autocontrole, de ouvir muita música relaxante e lembrar incontáveis vezes de respirar fundo.

Pelo menos mantenho o humor. Mesmo que ele seja negro [risos]! Alterei a aparência do blog para ficar mais leve. Gostei. Tirou o peso da cor preta. Tem mais branco. Preto é ausência de cor, certo? Então, vamos ao branco, a soma de todas as cores! Quem sabe assim eu também não fique mais leve, mais colorida nesse período. :D Cena de seriado americano: Acordo supermegablaster-irritada. Com nada. Bufo. Levanto. Pego a cartela do anticoncepcional. Falta uma semana para acabar. Exatamente o tempo em que esse ser abominável tomará conta de mim. Sabe O Médico e o Monst…

Vontade de uma música II...

Citei um trecho e fiquei com vontade de postar mais um fragmento dessa música. Ah... Gonzaguinha num precisa de apresentação. Ele conhece, como ninguém os caminhos do coração... e me desculpem pelo trocadilho!!! [risos]


“... E aprendi que se depende sempre De tanta, muita, diferente gente Toda pessoa sempre é as marcas Das lições diárias de outras tantas pessoas E é tão bonito quando a gente entende Que a gente é tanta gente onde quer que a gente vá E é tão bonito quando a gente sente Que nunca está sozinho por mais que pense estar É tão bonito quando a gente pisa firme Nessas linhas que estão nas palmas de nossas mãos É tão bonito quando a gente vai à vida Nos caminhos onde bate, bem mais forte o coração...”
- Gonzaguinha

Sobre quem nos torna quem somos...

Algumas pessoas nos lêem – e é essa mesma a palavra que devo usar – muito bem! Como se fossemos transparentes. Admiram e gostam de nosso lado e respeitam e aceitam nosso lado mau. Todos nós temos pelo menos uma pessoa assim em nossas vidas. Eu me atrevo a dizer que tenho mais de uma. O que nos une? Nos identifica? Talvez nossa ânsia em nos atirar para a vida.

Uma dessas leitoras da minha alma é a Cris. Sabe me ler como ninguém. Outro dia, numa troca de e-mails, comentei que um dia seremos famosas e serão publicadas as correspondências entre Cris Fagá e Glê Morais. Como se fossemos Carlos Drummond e Vinícius de Moraes... Confesso, fui presunçosa na comparação. Mas, em alguns momentos da vida, merecemos sê-lo.

A Cris escreveu um texto sobre mim, sobre nossas conversas que foi muito pontual. Me emocionou. Falou das minhas qualidades sem esquecer os meus defeitos. Falou da nossa sincronicidade. Cumplicidade. De nossa vontade de descobrir e redescobrir a vida a cada instante. E o quanto é va…

Em alguns instantes sou pequenina e também gigante....

"... em alguns instantes sou pequenina e também gigante..." - Marisa Monte
Os olhos que me olham me vêem, mas não me enxergam...
Os olhos que me olham vêem uma mulher ou um mulherão, como se costuma dizer,
Não enxergam a moça tímida por trás dos olhos...
Os olhos que me olham vêem a maturidade, a sabedoria,
Não enxergam o quanto ainda tenho para viver, o quanto anseio em aprender...
Os olhos que me olham se assustam, sentem-se intimidados,
Não enxergam o quanto me assustam ou me intimidam...
Os olhos que me olham vêem uma mulher segura e, com medo, fogem,
Não enxergam que tenho inseguranças e que, com medo, enfrento...
Os olhos que me olham desistem, ao observar a superfície,
Não permanecem para enxergar a minha profunda intensidade.

Abre essa janela, a primavera quer entrar...

“Abre os teus armários. Eu estou a te esperar para ver deitar o sol sobre os teus braços castos. Corte a culpa vã... até amanhã eu vou ficar e fazer do teu sorriso um abrigo.
Canta que é no canto que eu vou chegar. Canta o teu encanto que é para me encantar. Canta para mim, qualquer coisa assim sobre você. Que explique a minha paz. Tristeza nunca mais.
Mais vale o meu pranto que esse canto em solidão. Nesta espera o mundo gira em linhas tortas. Abre essa janela, a primavera quer entrar pra fazer da nossa voz uma só nota.
Canto que é de canto que eu vou chegar. Canto e toco um tanto que é pra te encantar. Canto para mim qualquer coisa assim sobre você que explique a minha paz. Tristeza nunca mais.”
- Los Hermanos


Hoje, me bateu uma vontade de ouvir Los Hermanos incontrolável! Tive uma fase – acho que no auge da banda – de ouvir os cd’s deles até furar! O BLOCO DO EU SOZINHO foi minha primeira aquisição. Adoro os metais presente nas músicas e a forma poética como escrevem as letras das músic…

Epitáfio...

“Como água no deserto Procurei seu passo incerto Pra me aproximar A tempo (...) Deixa eu te levar Não há razão e nem motivo Pra explicar Que eu te completo E que você vai me bastar, eu sei Tô bem certo de que você vai gostar Você vai gostar Como lava no oceano Um esforço sobre-humano Pra recomeçar do zero Se pareço ainda estranho Se não sou do seu rebanho E ainda assim Te quero..." (...)

Amo MPB desde... bom, não me recordo desde quando... Enfim, adoro música, sou um ser humano que está sempre com um fone de ouvido na orelha, que dorme e acorda ouvindo música, que liga a TV em canais de música e a deixa rolar, que cantarola o dia inteiro no trabalho – pena que não posso ouvir na empresa - e que relaciona música com toda e qualquer fase da vida.

Sou apaixonada por cantoras! Marisa Monte – meu amor incondicional! – Adriana Calcanhoto, Elis, Vanessa da Mata, Cássia Eller, Betânia, Isabella Taviani, novas e antigas musas.

Ana Carolina compôs boa parte da trilha sonora da minha vida nos últimos três anos.…

O destino costuma estar numa curva da esquina...

“O destino costuma estar numa curva da esquina, no atravessar de uma rua ou na mesa de um bar. Mas uma coisa que ele não faz é visita em domicilio. É preciso ir atrás dele.”

Recebi da Cris essa frase outro dia... frase que vi hoje e lembrei de nós – mania dela de colocar o conteúdo do e-mail no ASSUNTO... rs... Não há como ter dúvidas do que eu vou ler...!!!

Somos inconstantes e estamos em eterna evolução. Nada deveria nos surpreender. Contudo, eu ainda me surpreendo com algumas mudanças em mim. Até me assusto algumas vezes.

Ir atrás do nosso destino, “fazer acontecer” como canta o Geraldo Vandré era algo muito distante em minha vida. Engraçado como era mais fácil ficar em casa, resmungando que a vida não acontecia para mim. Como se fosse ela – a vida – responsável pelas minhas frustrações, pelas minhas não-realizações. Vejo como pensar e agir dessa forma era surreal. Porém, era cômodo. Era confortável. Não me ameaçava.

Meu coração sempre foi livre e aventureiro. Sempre fui idealista, ut…

Eu abraço árvores...

Eu abraço árvores. Faço parte de uma legião de loucos amantes da natureza que ama a troca de energia que podemos manter com ela.

Eu converso com plantas, com flores, com gatos e cachorros (sem citar outros seres vivos) que cruzam meu caminho.

Algumas – pena que poucas vezes – eu converso com o sol que me aquece ou com a própria natureza a caminho do trabalho.

Adoro pisar descalça na grama. Deixar neuras, estresse, energias negativas se esvaírem ao toque de cada passo que dou.

Adoro caminhar na praia com a água do mar batendo em minhas pernas, relaxando os músculos, as tensões, sentindo que a vida faz parte de cada molécula do meu ser.

É verdade que sou urbana. Que amo – desculpe ser óbvia – a selva de concreto em que nasci, me criei e vivo. Por amar São Paulo é que gosto tanto do contato com a natureza. Para manter o equilíbrio. Para não querer sair correndo daqui quando passo uma hora e meia presa no trânsito, em pleno verão paulistano.

Gosto do verão por isso. Porque me permite manter con…

Sobre Freud, Jung e o meu futuro...

(Garimpo Rock Bar - Embú das Artes)
A Psicologia entrou em minha vida numa tarde de domingo, em 2008, na mesa de um restaurante, em Embu das Artes.

Veio pelas bocas da Eli, em um questionamento, mais ou menos assim: “Nossa! Você sabe tanta coisa da área! Por que não faz Psicologia?”

Na verdade, nos bate papos por e-mail com minha amiga Priscila, a psicologia já existia em minha vida, nesse lance dela falar que era bom conversar com alguém que tinha o ponto de vista dela – de Psicóloga.

Há quantos anos a Psicologia me ronda, sem eu me dar conta, na mania que tenho de analisar as pessoas, de procurar os motivos na entrelinhas que expliquem esse ou aquele comportamento de alguém?

Por que nunca enxerguei a Psicologia paquerava, nas milhares de vezes que fui procurada para aconselhar (quem sou eu?!). Como nunca notei que minha habilidade para ouvir, sem interromper, seria um traço meu que sinalizava para essa profissão?

Não vou nem citar livros, autores, teóricos que sempre me fascinaram.

Já quis…

Fernando Pessoa....

O AMOR, quando se revela,
Não se sabe revelar.
Sabe bem olhar p'ra ela,
Mas não lhe sabe falar.

Quem quer dizer o que sente
Não sabe o que há-de dizer.
Fala: parece que mente...
Cala: parece esquecer...

Ah, mas se ela adivinhasse,
Se pudesse ouvir o olhar,
E se um olhar lhe bastasse
P'ra saber que a estão a amar!

Mas quem sente muito, cala;
Quem quer dizer quanto sente
Fica sem alma nem fala,
Fica só, inteiramente!

Mas se isto puder contar-lhe,
O que não lhe ouso contar,
Já não terei que falar-lhe
Porque lhe estou a falar...

- Fernando Pessoa

Porque eu amo Clarice...

“Sou como você me vê.
Posso ser leve como uma brisa ou forte como uma ventania,
Depende de quando e como você me vê passar.”
- Clarice Lispector


Poderia escrever várias linhas sobre minha identificação com os textos de Clarice Lispector. No fundo, palavras dispensáveis. Ela fala por si. E fala muito por mim também. Se estou bem ou se me encontro num dia mais melancólico, ela tem as palavras exatas para descrever como me sinto.

Esses fragmentos falam da minha inconstância e da minha imensa vontade de viver tudo ao extremo. Visceral, como eu já disse que sou.


"Sou uma filha da natureza:
quero pegar, sentir, tocar, ser.
E tudo isso já faz parte de um todo,
de um mistério.
Sou uma só... Sou um ser.
E deixo que você seja. Isso lhe assusta?
Creio que sim. Mas vale a pena.
Mesmo que doa. Dói só no começo."
- Clarice Lispector