Pular para o conteúdo principal

Músicas que me fazem feliz...

Adoro música e isso não é nenhuma novidade. Passei a tarde passeando sobre uns sites, procurando novas ferramentas para o meu blog – apesar de blogueira antiga, só agora estou levando a sério meu compromisso com esse universo - encontrei uma música que amo e que há muito não ouvia: Noturno, Opus 9, de Chopin. Não conhece? Curta um pouco...


 Chopin - Noturno Op 9


Tenho uma grande amiga que toca piano. Quando nos conhecemos, toda a vez que eu ia a casa da Camila, eu pedia para ela tocar essa música. É claro que uma hora ela se recusou a tocar para mim!!! Tardes bacanas de 1992, em que ser adolescente era a coisa mais importante do mundo! [risos]

Voltando hoje do Núcleo e ouvindo músicas em meu celular, me veio à cabeça a questão: qual a música mais importante da minha vida? Sinceramente, não sei. São várias. Posso responder qual seria HOJE a música da minha vida. Tão antiga. Tão bonita. Acho que poderia até dizer que é a música de toda a minha vida, porque ela é muito intensa, assim como eu. Contudo, como toda mulher, tenho muitas fases, então é melhor não correr esse risco, porque daqui a pouco posso mudar de idéia! Essa música lembra bastante os momentos em que nos apaixonamos e queremos extravasar essa emoção. Gonzaguinha escreveu isso como ninguém. E Bethania – para mim a melhor intérprete para está música – consagrou!



Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Memórias natalinas

A Jornada de Renata Quintela ♥

Levando para a semana que começa a energia inspiradora da descoberta rica e preciosa da semana que acabou. ♥
A Jornada de Renata Quintella

Para Bertoli...

“A maior distância que eu já percorri foi entre minha cabeça e meu coração.”
- Tadashi Kadomoto


Lembro que eu queria surtar. De verdade. Queria surtar para que me internassem e me deixassem em paz. Para que não me cobrassem nada, para que não me pedissem nada, para que não falassem comigo. Queria adoecer meu corpo e tentei de várias formas conseguir isso. Só para ficar em paz.

Queria paz. Algo tão caro, tão importante, tão simples, tão perto e tão distante.

Recordo o dia em que encontrei a paz. Eu ria. Chorava e ria. Nascia leve e feliz. O sofrimento? A dor? Tudo havia ficado para trás. Eu era apenas aquela sensação de amor – por mim mesma, a quem nunca havia amado.

Agora, eu já podia abraçar o mundo! Podia concretizar meus sonhos. Podia amar a mim e não só os outros. Sabia e sentia o significado das coisas. Podia seguir meu caminho e viver a minha vida.

O encontro com o AMOR INCONDICIONAL... Foi marcante. De repente eu era a forma de amor que aquele ser humano tanto quis e nunca encontrou.…