Pular para o conteúdo principal

Postagens

Mostrando postagens de Abril, 2013

Cartas são amor

Houve uma época em que eu espera, ansiosa, a chegada do carteiro.
Houve uma época em que eu enfeitava margens e espaços em branco com flores, estrelas e 'desenhos abstratos'.
Época na qual escrevia em códigos indecifráveis - pelo menos, era o que eu achava. Hoje, eles se tornaram indecifráveis até para mim.
Época em que revistas eram fonte de imagens, letras, palavras e frases para tornar cartas e envelopes criativos.
Sobretudo, nesta época, eram as palavras escritas à mão, em tintas coloridas, as revelações feitas, as confidências trocadas, os conselhos dados e recebidos que preenchiam a vida de afeto e alegria.
E não importava se o remetente residia no bairro ao lado ou em um estado do nordeste. Se nos víamos diariamente ou anualmente. As cartas que trocava com minhas amigas eram motivo de riso largo, lágrimas de emoção, coração leve, certeza de compreensão.
Tenho guardadas todas as cartas já trocadas. Tesouro maior que é bom revisitar para encher o coração de carinho. 
Ame…

A vida em três palavras

Em vinte e quatro horas, três notícias...
morte  nascimento gravidez
A vida em três palavras. 
... suspiros...
Três estados que emocionam: órfã, mãe, grávida. 
Por mais evoluídos que estejamos, ninguém quer despedir-se, mesmo que momentaneamente, de alguém querido que parte para outro plano. Separação. Saudade. Amor.
Por mais que esperemos, a beleza do nascimento transcende. Reencontro. Mudanças. Amor.
Por mais que planejemos, saber que uma vida, que mal é grão de areia, toma forma dentro da gente, toma a alma. Epifania. Espera. Amor.
A Vida é ciclo. Isto todos sabem... eu acho. É Amor, acontecendo em cada ciclo. É Deus (Alá, Jeová, Criador Primordial, Grande Mistério) ensinando a gente.

Obs.:meu AMOR às personagens desta história. Três canais de cura, para mim. Três irmãs que a vida me deu de presente. Três professoras que tive a felicidade de encontrar.





Ainda preferimos a vingança que à justiça.

Tenho a impressão que reduzir a maioridade penal é, como taaantas outras medidas que consideramos corretas em sociedade, jogar mais uma das 'mazelas' que produzimos para baixo do tapete. É esconder nossas 'vergonhas'. Sim, porque você e eu não vivemos em uma ilha. Viver em sociedade é responsabilizar-se pelo todo.  Portanto, tudo o que acontece é consequência dos nossos atos - e de tudo o que deixamos de fazer também.
Na educação - e fora dela - vi e vejo tantos maus exemplos para os jovens. Exemplos que partiam de mães, de pais, tios, professores e outros adultos considerados responsáveis. Ouvi meninos dizendo que não têm sonhos. Ouvi meninos dizendo que seu sonho era ter idade para carregar caixa de ovo na feira. Ouvi um menino de 17 anos, que não sabia escrever seu nome, recortar a foto de uma geladeira e justificar, dizendo que, para ele, todo mundo deveria ter comida em casa. Eu digo: ele não tinha comida, água, luz, exemplos.
Enfim. São minhas impressões. Fruto …

Hoax, quem nunca?

O texto abaixo é um post que escrevi em meu perfil do Facebook, a partir de um velho hoax* que anda circulando esta semana no feed de notícias. 
Eu fiquei me perguntando por que a gente caí na mesma cilada, inúmeras vezes. Talvez, o motivo seja vivermos tempos de correria insana, em que não é possível uma pausa para reflexão. Talvez, como eu escrevi abaixo, seja a nossa sede por justiça, que acaba nos cegando. 
Os hoaxes brincam com nossa ingenuidade, com nossa indignação, com a nossa preguiça de conferir a veracidade das informações. Sim, um hoax brinca de bobinho com a gente! E insistimos em querer participar diversas vezes. 
O preocupante disto é que muitos hackers aproveitam-se desta nossa fragilidade, soltando na rede hoaxes com vírus. Volta e meia, alguém tem seu perfil em rede social ou computador contaminado por cair nestas armadilhas.
Além disso, as redes sociais são canais poderosos de disseminação informação. Auxiliar uma família cujo integrante está desaparecido é algo su…

Também 'sou um quase tudo', Clarice!

Foram tantos anos querendo me definir. Tantos rótulos abraçados. Tantas vezes repeti 'sou assim e pronto'. Em tantos processos terapêuticos mergulhei, querendo saber quem eu sou.
Até que você acorda e descobre que você é 'assim e assado', 'bem e mal passado'. É e não é, também. Libertação deliciosa!
Repeti tantas vezes uma citação de Clarice Lispector, sem ver a resposta às minhas indagações de quem eu sou ali!

Quanto mais mergulho em mim, mais eu me desconheço. Não. Não estou perdida. Este é o verdadeiro encontro consigo: saber-se eternamente mutável, impermanente! ♥

Quando fiz Letras, achei que TINHA que dar aulas, afinal era esta a finalidade do curso! Quem disse?! E meus sonhos de exercitar a escrita foram massacrados pela rotina diária de ser professora, que exigia de mim as vinte e quatro horas do dia e um pouco mais. Sou fã dos colegas de profissão que exercem com maestria e competência a arte de educar! Eu, que achava que seria ótima em qualquer profis…