Postagens

Mostrando postagens de Setembro, 2010

Desapegar...

"Que eu tenha delicadeza para acolher aqueles que entrarem na roda e sabedoria para abençoar aqueles que dela se retirarem."
(Ana Jácomo)
Desapegar é um ato difícil. Algo que realizamos diariamente, desde que nascemos e caminhamos em busca de nossa evolução – de forma consciente ou não. O desapego, aparentemente, pode causar dor, causar tristeza. Afinal, quem gosta de abrir mão de algo ou de pessoas que remetam a momentos de felicidade? 
Sejam pessoas, sentimentos, emoções, desejos, objetos, lugares, abrir mão é algo extremamente doloroso. Porém, muitas vezes não queremos desapegar apenas por vaidade, capricho em TER. Não queremos deixar de ser importantes para esta ou aquela pessoa. Não queremos dar outra utilidade para objetos que hoje são inúteis e que podem ser muito úteis à outras. Não queremos dar um passo em busca da felicidade e sair da tristeza, por medo de perder o “afeto” alheio. Há pessoas que sentem que se estiverem bem, deixarão de ter atenção de outros, consoland…

Gente que ilumina gente...

Imagem
Tem gente que inspira a gente. Gente que nos leva as lágrimas. Gente que nos faz amar a vida um pouquinho mais. Que puxa nossas orelhas quando ficamos de mal com a vida.  Gente que nos trás à realidade, gente que nos faz sonhar. Gente que vemos pouco, mas que é tão presente que parece que está ao nosso lado todos os dias, rindo com a gente. Gente que vemos todos os dias, mas que dá saudade quando no despedimos para voltar a ver no dia seguinte. Gente que já fez parte importante da nossa história, mas que hoje está na lembrança carinhosa dos momentos compartilhados. Gente que conhecemos ontem mesmo e que parece que sempre esteve presente em nossa existência. 
Tem gente que aquece nosso coração. Que faz brotar sorriso nos lábios. Que nos desperta a esperança de que todo sonho é possível - e isso a gente até sabe, mas acaba esquecendo, perdidos na sobrevivência diária e rotineira. Aí, essa gente especial aparece e ilumina nossos dias e descortina nosso olhar, que andava meio cego. 
Muitas …

Correr riscos...

Imagem
"Rir é arriscar-se a parecer tolo.
Chorar é arriscar-se a parecer sentimental.
Estender a mão aos outros é arriscar-se a se envolver.
Mostrar os seus sentimentos é expor a sua humanidade.
Expor suas idéias e sonhos diante do povo é arriscar a sua perda.
Amar é arriscar-se a não ser amado.
Tentar é arriscar-se ao fracasso.
Mas os riscos têm que ser corridos, pois o maior perigo na vida é não arriscar nada.
A pessoa que não arrisca nada não faz nada, não tem nada e não é nada.
Pode evitar o sofrimento e o pesar, mas não pode aprender, sentir,
mudar, crescer, viver ou amar.
Acorrentado por suas certezas e vícios, é um escravo.
Sacrificou o seu maior predicado, que é a sua liberdade individual.
Só a pessoa que arrisca é livre." - Leo Buscaglia

Pequenezas...

Imagem
São as pequenezas da vida que a tornam bela e especial. Pequeneza que não é sinônimo de coisa sem importância. Representa o simples, o singelo. São os momentos simples, situações que muitas vezes nem percebemos, que definem a qualidade de nossas vidas. Que emocionam, enchem o peito de amor. Feliz em poder vivenciar e presenciar essas pequenezas...

Aceitação...

Muitas vezes entramos em atrito com os acontecimentos cotidianos – ou nem tão cotidianos assim – tentando de todas as formas adequá-los ao que consideramos correto. Temos nossa visão de como o universo deva funcionar e apostamos todas as nossas fichas em fazer com que tudo aconteça dessa forma. Mas, acho que há momentos em que simplesmente devemos deixar as coisas acontecerem. Assim, simplesmente.
A partir do instante em que você solicita ajuda ao que acredita – gosto da expressão da minha amiga Cris, “se coloca nas mãos de Deus” – não vejo porque duvidar de que o que é melhor para todos esteja acontecendo.  Não se trata de acomodar-se diante da vida ou de desistir de lutar e sim de deixar um pouco algumas decisões para outras pessoas. E de aceitar que nossos pedidos serão atendidos, porque o universo sempre nos ouve.
Penso que, já que não posso – e nem devo – fazer tudo funcionar da forma que penso ser a melhor para todos, tenho (devo) que fazer o que depende de mim da melhor maneira p…