Pular para o conteúdo principal

Também 'sou um quase tudo', Clarice!

Foram tantos anos querendo me definir. Tantos rótulos abraçados. Tantas vezes repeti 'sou assim e pronto'. Em tantos processos terapêuticos mergulhei, querendo saber quem eu sou.

Até que você acorda e descobre que você é 'assim e assado', 'bem e mal passado'. É e não é, também. Libertação deliciosa!

Repeti tantas vezes uma citação de Clarice Lispector, sem ver a resposta às minhas indagações de quem eu sou ali!

Quanto mais mergulho em mim, mais eu me desconheço. Não. Não estou perdida. Este é o verdadeiro encontro consigo: saber-se eternamente mutável, impermanente! ♥

Quando fiz Letras, achei que TINHA que dar aulas, afinal era esta a finalidade do curso! Quem disse?! E meus sonhos de exercitar a escrita foram massacrados pela rotina diária de ser professora, que exigia de mim as vinte e quatro horas do dia e um pouco mais. Sou fã dos colegas de profissão que exercem com maestria e competência a arte de educar! Eu, que achava que seria ótima em qualquer profissão, vi que a sala de aula não era o meu lugar. 

Faz pouco tempo que me libertei do rótulo 'professora'. Eu não tinha que nada! Foi um desvio de caminho, necessário para meu crescimento.

Ter que ter uma cor preferida, um carro, uma casa própria, curso superior, pós, mestrado, doutorado, namorado, filhos, casamento já foram questões angustiantes para mim. Hoje, ainda me assombram, mas sem ser um grande peso. São fantasmas ocasionais que me visitam (alô TPM!).

Gosto um bocado de um pensamento oriental: 'eu não sou nada, eu não sei nada, eu não quero nada'.  Porque pensar assim me deixa aberta para viver o que a vida me propor. Não. Não é falta de ambição. Tenho as minhas! Mas, são as MINHAS! Tenho planos, mas não sou obcecada por eles e não sofro com os desvios, que considero naturais, para alcançá-los. 

Esta história - quem inventou? - de termos que saber definir quem somos, quais nossos gostos, hoje me dá uma preguiça. Gosto de havaianas e de peep toe. De bolsa de pano e de Lady Dior. De moletom e de calça de linho flare. Do meu cabelo natural e dele escovado. Só prefiro ser loira à morena, hoje, mas isso pode mudar amanhã.  E a Gleide que gosta de uma coisa é a mesma que gosta de outra. E sou feliz assim.

É, também 'sou um quase tudo', Clarice! Ou não! 


Obs¹.: será que andei tentando me definir, neste texto, tentando não me definir?! :o)
Obs².: fato: sou bem-humorada. Eu acho! Rs...



1 comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Memórias natalinas

A Jornada de Renata Quintela ♥

Levando para a semana que começa a energia inspiradora da descoberta rica e preciosa da semana que acabou. ♥
A Jornada de Renata Quintella