Cartas são amor

Houve uma época em que eu espera, ansiosa, a chegada do carteiro.

Houve uma época em que eu enfeitava margens e espaços em branco com flores, estrelas e 'desenhos abstratos'.

Época na qual escrevia em códigos indecifráveis - pelo menos, era o que eu achava. Hoje, eles se tornaram indecifráveis até para mim.

Época em que revistas eram fonte de imagens, letras, palavras e frases para tornar cartas e envelopes criativos.

Sobretudo, nesta época, eram as palavras escritas à mão, em tintas coloridas, as revelações feitas, as confidências trocadas, os conselhos dados e recebidos que preenchiam a vida de afeto e alegria.

E não importava se o remetente residia no bairro ao lado ou em um estado do nordeste. Se nos víamos diariamente ou anualmente. As cartas que trocava com minhas amigas eram motivo de riso largo, lágrimas de emoção, coração leve, certeza de compreensão.

Tenho guardadas todas as cartas já trocadas. Tesouro maior que é bom revisitar para encher o coração de carinho. 

Amei este vídeo do TED, por ter me feito revisitar este tempo. 

E amei o vídeo, também, por saber que gente é muito mais amor do que muitos pensam. 


1 comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Meu aprendimento

Para Bertoli...