Pular para o conteúdo principal

Cartas são amor

Houve uma época em que eu espera, ansiosa, a chegada do carteiro.

Houve uma época em que eu enfeitava margens e espaços em branco com flores, estrelas e 'desenhos abstratos'.

Época na qual escrevia em códigos indecifráveis - pelo menos, era o que eu achava. Hoje, eles se tornaram indecifráveis até para mim.

Época em que revistas eram fonte de imagens, letras, palavras e frases para tornar cartas e envelopes criativos.

Sobretudo, nesta época, eram as palavras escritas à mão, em tintas coloridas, as revelações feitas, as confidências trocadas, os conselhos dados e recebidos que preenchiam a vida de afeto e alegria.

E não importava se o remetente residia no bairro ao lado ou em um estado do nordeste. Se nos víamos diariamente ou anualmente. As cartas que trocava com minhas amigas eram motivo de riso largo, lágrimas de emoção, coração leve, certeza de compreensão.

Tenho guardadas todas as cartas já trocadas. Tesouro maior que é bom revisitar para encher o coração de carinho. 

Amei este vídeo do TED, por ter me feito revisitar este tempo. 

E amei o vídeo, também, por saber que gente é muito mais amor do que muitos pensam. 


1 comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Memórias natalinas

A Jornada de Renata Quintela ♥

Levando para a semana que começa a energia inspiradora da descoberta rica e preciosa da semana que acabou. ♥
A Jornada de Renata Quintella

Para Bertoli...

“A maior distância que eu já percorri foi entre minha cabeça e meu coração.”
- Tadashi Kadomoto


Lembro que eu queria surtar. De verdade. Queria surtar para que me internassem e me deixassem em paz. Para que não me cobrassem nada, para que não me pedissem nada, para que não falassem comigo. Queria adoecer meu corpo e tentei de várias formas conseguir isso. Só para ficar em paz.

Queria paz. Algo tão caro, tão importante, tão simples, tão perto e tão distante.

Recordo o dia em que encontrei a paz. Eu ria. Chorava e ria. Nascia leve e feliz. O sofrimento? A dor? Tudo havia ficado para trás. Eu era apenas aquela sensação de amor – por mim mesma, a quem nunca havia amado.

Agora, eu já podia abraçar o mundo! Podia concretizar meus sonhos. Podia amar a mim e não só os outros. Sabia e sentia o significado das coisas. Podia seguir meu caminho e viver a minha vida.

O encontro com o AMOR INCONDICIONAL... Foi marcante. De repente eu era a forma de amor que aquele ser humano tanto quis e nunca encontrou.…