Pular para o conteúdo principal

Vivendo... ^^

Não é que eu não sinta vontade de escrever. É que quando posso parar para fazê-lo já estou tão cansada e sonolenta que corro o risco de não conseguir me expressar.

A vida tem andado. Aliás, eu tenho andado por ela: com presença, agradecendo a generosidade de encontros e caminhos que vão surgindo. Consciente das minhas escolhas, do meu aprendizado. 

Há uma energia ao meu redor, que fui construindo aos poucos e que procuro alimentar - e me alimentar dela - que torna os instantes mágicos, de grandes percepções. As dores têm sido menores, encontram-me ainda, mas, eu, mais forte e inteira, olho e procuro entender. E aprender. 

Os encontros são o que mais me encanta. Apesar de tanta gente que vai, é tanta gente que chega! Ensinam-me sobre a vida, a minha e a delas. Percebo meu futuro, revisito meu passado. Como é bom o olhar da aprendiz.

Sim, há faltas - ainda. Há a saudade. Mas, há a consciência da efemeridade, da impermanência. Muitas situações, pessoas e acontecimentos passageiros. Bastante aprendizado... permanente. ♥

"Vai sem direção, vai ser livre

A tristeza não, não resiste
Solte seus cabelos ao vento, não olhe pra trás
Ouça o barulhinho que o tempo
No seu peito faz
Ouça sua dor dançar
Atenção para escutar
Esse movimento que traz paz
Cada folha que cair
Cada nuvem que passar
Ouve a terra respirar
Pelas portas e janelas das casas
Atenção para escutar
O que você quer saber de verdade"


2 comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Memórias natalinas

A Jornada de Renata Quintela ♥

Levando para a semana que começa a energia inspiradora da descoberta rica e preciosa da semana que acabou. ♥
A Jornada de Renata Quintella

Para Bertoli...

“A maior distância que eu já percorri foi entre minha cabeça e meu coração.”
- Tadashi Kadomoto


Lembro que eu queria surtar. De verdade. Queria surtar para que me internassem e me deixassem em paz. Para que não me cobrassem nada, para que não me pedissem nada, para que não falassem comigo. Queria adoecer meu corpo e tentei de várias formas conseguir isso. Só para ficar em paz.

Queria paz. Algo tão caro, tão importante, tão simples, tão perto e tão distante.

Recordo o dia em que encontrei a paz. Eu ria. Chorava e ria. Nascia leve e feliz. O sofrimento? A dor? Tudo havia ficado para trás. Eu era apenas aquela sensação de amor – por mim mesma, a quem nunca havia amado.

Agora, eu já podia abraçar o mundo! Podia concretizar meus sonhos. Podia amar a mim e não só os outros. Sabia e sentia o significado das coisas. Podia seguir meu caminho e viver a minha vida.

O encontro com o AMOR INCONDICIONAL... Foi marcante. De repente eu era a forma de amor que aquele ser humano tanto quis e nunca encontrou.…