Pular para o conteúdo principal

Adolescer no ponto de ônibus

Meio-dia de uma sexta-feira. Tarde quente, apesar do inverno. No ponto de ônibus, nós, adultos e crianças, esperávamos o transporte que nos levaria a nossos destinos. Éramos Nós e Eles. Eles, um casal de adolescentes, de mochilas nas costas. Namorando. Sorri. Lembrei desta fase da vida em que os outros - no caso, Nós - não importam. Quando tudo o que é vital é vivermos nossos desejos e paixões como se não houvesse amanhã (clichê ♥ ). Época em que o mundo resume-se a nós - adolescentes -, nossos amigos e amores. Pais, professores e outras classes de adultos mal entram neste círculo de importância. Afinal, eles não nos entendem.

No ponto, os jovens confirmavam minhas reminiscências, sob olhares desaprovadores e outros, que nem os notavam. Eu? Permanecia sorrindo. Porque, culpa minha, nunca consegui esquecer que a adolescente que fui habita a adulta que sou. Eu já estive ali, naquele ponto de ônibus. Eu já fui a menina apaixonada, cheia de sonhos e desejos que precisavam ser realizados agora. Amanhã,  não. Pode ser muito tarde.

Fico pensando quantos conflitos Nós, adultos 'experientes' evitaríamos se nos lembrássemos que já fomos Eles, jovens 'detentores da verdade e com sede de viver tudo-de-uma-só-vez-aqui-e-agora'.


O ônibus chega. Subo. Agradeço mentalmente ao casal apaixonado - porque ser dominado pelos hormônios nesta fase também é amor - pelas lembranças provocadas.

Abro o bloco de notas do celular. Escrevo e revisito o passado.

Imagem: We Heart it (aceito traduções do texto que está na foto)
Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Memórias natalinas

A Jornada de Renata Quintela ♥

Levando para a semana que começa a energia inspiradora da descoberta rica e preciosa da semana que acabou. ♥
A Jornada de Renata Quintella

Para Bertoli...

“A maior distância que eu já percorri foi entre minha cabeça e meu coração.”
- Tadashi Kadomoto


Lembro que eu queria surtar. De verdade. Queria surtar para que me internassem e me deixassem em paz. Para que não me cobrassem nada, para que não me pedissem nada, para que não falassem comigo. Queria adoecer meu corpo e tentei de várias formas conseguir isso. Só para ficar em paz.

Queria paz. Algo tão caro, tão importante, tão simples, tão perto e tão distante.

Recordo o dia em que encontrei a paz. Eu ria. Chorava e ria. Nascia leve e feliz. O sofrimento? A dor? Tudo havia ficado para trás. Eu era apenas aquela sensação de amor – por mim mesma, a quem nunca havia amado.

Agora, eu já podia abraçar o mundo! Podia concretizar meus sonhos. Podia amar a mim e não só os outros. Sabia e sentia o significado das coisas. Podia seguir meu caminho e viver a minha vida.

O encontro com o AMOR INCONDICIONAL... Foi marcante. De repente eu era a forma de amor que aquele ser humano tanto quis e nunca encontrou.…