Pular para o conteúdo principal

Retrospectiva 2010: Gratidão, honra e respeito pela caminhada...


“Nada que seja totalmente desejado é difícil. Só tu és capaz de te privar do que quer que seja. Não te oponhas a este reconhecimento, pois isso é verdadeiramente o princípio da aurora da Luz." 
(de Um Curso em Milagres)

A cada final de ano tenho um ritual. Escrever minha retrospectiva sobre o ano que está terminando. Seja no diário de papel ou aqui, no Princesa Greide, gosto de fazer uma reflexão sobre o que vivi e é um exercício que faz internalizar tudo o que eu fiz por mim, de bom e de ruim.

Escolhi o fragmento acima para iniciar este post porque estou nesta vibração. Mal está terminando 2010 e o coração está cheio de planos e sonhos para 2011. E é com essa energia que tenho certeza de que alcançarei cada meta, cada objetivo que meu espírito deseja realizar.

Falando de 2010, este ano de vida nova. Vários sonhos se concretizaram. Sonhos que estavam esquecidos lá na alma da minha infância ou do meu espírito adolescente. Faltam outros tantos, mas me sinto contente pelo que conseguir realizar.

A nova profissão é um desafio diário. Ser professora em um país e épocas em que não se valoriza a educação – por mais que as propagandas na televisão digam o contrário é uma tarefa difícil. Sem a vontade de ajudar, a vocação e jeito de ver que lido com a consequência de uma sociedade sem valores seria impossível caminhar. Mas, por mais estressante que seja essa vida profissional nova, me sinto realizada. Acredito que plantei algumas sementinhas de sonho por aí. E fiz novas amizades, adubo fértil para o coração. Gratidão.

Em 2010 algumas pessoas tornaram-se mais distantes fisicamente, mas não do coração. Outras retornaram ao convívio. E fui presenteada com amigos virtuais e reais que contribuíram tanto para a minha evolução. Gente que sonha os mesmos sonhos que os meus. Que acredita. Que busca. Que quer fazer a diferença. Meu coração se encheu de afeto, expandiu-se mais um cadinho para acomodar tanta gente amada e carinhosa. Gratidão.

Houve um momento neste ano no qual que meu coração quase parou, ficou apertadinho, o pobrezinho. Creio mesmo que são nos momentos de crise que crescemos e foi o que aconteceu comigo. Quando todas as certezas estavam fundamentadas nesse músculo que bate forte em meu peito, o chão abriu-se e eu caí. Desabei. Minha fé em mim, minha lucidez, meus sonhos, meus ideais. Tudo se perdeu. Pelo menos, até que eu estivesse apta para encontrá-los novamente. Por essa turbulência, minha gratidão.

Essa crise me levou a dois (re)encontros importantes e mágicos. Penso que aos encontros mais importantes de 2010. Pude (re)estabelecer minha conexão com a espiritualidade. Nunca me senti tão plena nesse sentindo. Comecei a estudar para poder trabalhar e melhor ajudar a outros que necessitem. Encontrei meu lugar. De verdade. Essa caminhada continua em 2011 e por muitos outros anos. Neste plano e em outros. Gratidão.

O outro encontro mágico foi com uma pessoa amada e há muito tempo esquecida. Como podemos esquecer aqueles que amamos? Não sei a resposta, sei que o fiz. Ainda assim, meu irmão querido me acolheu, me deu colo, me deu amor. Me fez compreender muitas das emoções e sentimentos que me acompanham nessa existência. Foi conforto e amor para meu coração. Esse reencontro provocou dor – pela separação -, mas, principalmente, provocou desapego, entendimento e aceitação. E foi esse ser amado quem me fez saber que estou no caminho certo em minha missão nesse plano. Para que, no futuro, não precisemos mais nos reencontrar e sim, vivermos em harmonia e amor. A você, pessoa mais que especial em minha existência, minha profunda gratidão, meu afeto e meu amor.

E esse ano foi o de realizar sonhos. No momento certo, meu coração voou. Transcendeu as amarras que o prendiam ao chão e voou alto. Como eu mesma defini, foi INTENSO, DIFÍCIL, mas também LIBERTADOR e LINDO. Reconhecimento de quem eu sou, de qual o meu papel nesse plano, das minhas forças e das minhas fraquezas. Com isso, dei um passo importante e iniciei a terapia. Foi uma sessão apenas, na qual meu coração transbordou e quase não parou para respirar. Em 2011, ele continuará a buscar a sintonia ideal, o equilíbrio. Gratidão.

Algo que protelava há tempos e comecei a experimentar – ou ‘experenciar’? – foi a meditação. Abri canais importantes para minha evolução. Estou engatinhando, mas amando a experiência. Conexão com Deus, contato com energias tão sutis que só podem ser sentidas e não explicadas. Gratidão.

Nesse finalzinho de ano, estou tendo que dar conta da paciência, da correria, do trabalho árduo. Papai do Céu ainda me deu mais uma tarefazinha antes de fechar 2010. Espero a estar executando da melhor forma possível. Aliás, tenho surpreendido a mim mesma. Tem sido um grande aprendizado. Gratidão.

E, para fechar com chave de ouro 2010, realizo essa semana o vestibular para Psicologia. Para quê procrastinar a profissão que o coração escolheu? Medo de abraçar a felicidade, talvez. Coisa do passado. Depois de aprender a pilotar o avião da minha vida, tirei o brevê para voar ainda mais alto, não faz mais sentido ter medo de altura. É hora de voar bem alto, com os pés bem fincados no chão. Gratidão.

Foi – e ainda está sendo – um ano lindo. De muita busca e de muito encontro. Talvez eu nunca tenha me sentido tão grata pela vida como nesse momento. Que essa energia de AMOR que vibra em meu peito se espalhe ao redor e contamine muitos...

GRATIDÃO, HONRA E RESPEITO pela caminhada.
2 comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Memórias natalinas

A Jornada de Renata Quintela ♥

Levando para a semana que começa a energia inspiradora da descoberta rica e preciosa da semana que acabou. ♥
A Jornada de Renata Quintella

Para Bertoli...

“A maior distância que eu já percorri foi entre minha cabeça e meu coração.”
- Tadashi Kadomoto


Lembro que eu queria surtar. De verdade. Queria surtar para que me internassem e me deixassem em paz. Para que não me cobrassem nada, para que não me pedissem nada, para que não falassem comigo. Queria adoecer meu corpo e tentei de várias formas conseguir isso. Só para ficar em paz.

Queria paz. Algo tão caro, tão importante, tão simples, tão perto e tão distante.

Recordo o dia em que encontrei a paz. Eu ria. Chorava e ria. Nascia leve e feliz. O sofrimento? A dor? Tudo havia ficado para trás. Eu era apenas aquela sensação de amor – por mim mesma, a quem nunca havia amado.

Agora, eu já podia abraçar o mundo! Podia concretizar meus sonhos. Podia amar a mim e não só os outros. Sabia e sentia o significado das coisas. Podia seguir meu caminho e viver a minha vida.

O encontro com o AMOR INCONDICIONAL... Foi marcante. De repente eu era a forma de amor que aquele ser humano tanto quis e nunca encontrou.…