Pular para o conteúdo principal

Cemali Marino...


Era uma vez um bebê que despertava em mim a vontade de ter bebê. Encantador, meigo, traz em si o amor em estado puro. Quando fui visitá-lo na maternidade, deixei o lugar aos prantos. Como se estivesse me separando de algo muito precioso. Nunca me esqueço desse dia. A emoção de rever uma grande amiga, sendo mãe e a emoção maior de segurar aquele ser lindo e calmo nos meus braços.

Hoje, ao ver suas fotos, vejo que o bebê virou menino. O menino que desperta em mim a vontade de ter um menino como ele.

Sempre quis ser mãe. Sempre desejei ter uma menina – a Aloma. Porém, o Marino me faz ter essa vontade de ser mãe de um menino.

Nos vemos pouco. Eu, no Brasil, ele, um brasileirinho na Turquia. Vive com sua mãe, a Camila, amiga dos tempos inconseqüentes da adolescência. Contudo, o amor que ele desperta em mim é algo sempre tão forte e tão bom!

Nosso último contato foi em novembro de 2008. A mesma impressionante presença de amor. Há coisas que não se explicam numa vida. Meu amor pelo Marino é uma dela. Amor incondicional, amor em estado puro, amor por quem eu conheço só um pedacinho...
Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Memórias natalinas

A Jornada de Renata Quintela ♥

Levando para a semana que começa a energia inspiradora da descoberta rica e preciosa da semana que acabou. ♥
A Jornada de Renata Quintella

Para Bertoli...

“A maior distância que eu já percorri foi entre minha cabeça e meu coração.”
- Tadashi Kadomoto


Lembro que eu queria surtar. De verdade. Queria surtar para que me internassem e me deixassem em paz. Para que não me cobrassem nada, para que não me pedissem nada, para que não falassem comigo. Queria adoecer meu corpo e tentei de várias formas conseguir isso. Só para ficar em paz.

Queria paz. Algo tão caro, tão importante, tão simples, tão perto e tão distante.

Recordo o dia em que encontrei a paz. Eu ria. Chorava e ria. Nascia leve e feliz. O sofrimento? A dor? Tudo havia ficado para trás. Eu era apenas aquela sensação de amor – por mim mesma, a quem nunca havia amado.

Agora, eu já podia abraçar o mundo! Podia concretizar meus sonhos. Podia amar a mim e não só os outros. Sabia e sentia o significado das coisas. Podia seguir meu caminho e viver a minha vida.

O encontro com o AMOR INCONDICIONAL... Foi marcante. De repente eu era a forma de amor que aquele ser humano tanto quis e nunca encontrou.…