Pular para o conteúdo principal

Aniversário

De uns ano para cá, fazer aniversário passou a ser bacana. Não que nunca fosse antes, mas a forma de curtir essa data em que comemoramos nossa vinda a esse plano passou a ser especial de outra forma. Talvez seja a maturidade que transforme nosso olhar sobre a vida.

Imagino que essa mudança se deu quando fiz 30 anos. Fazem três anos que comecei a viver de verdade. Parece que só ai abri os olhos para a vida. Por isso, cada conquista, cada riso, cada queda, cada lágrima valem muito. Significam tanto na formação dessa pessoa que sou e que vou construindo a cada dia.

Ao contrário de tantas mulheres, a idade não me assusta. Pelo contrário. Foi com o passar dos anos que aprendi a me aceitar e a me amar do jeito que sou.

Só não consegui - ainda - dar conta da expectativa. Não tem jeito. Ainda é aquela sensação de quando somos crianças e esperamos ser surpreendidos com aquele presente de tirar o fôlego, seja lá qual for esse presente. Hoje, são presentes abstratos e não os concretos que têm essa capacidade de me tirar o folego.

Para esse ano me desejo - acho que posso eu mesma me desejar feliz aniversário - muitos momentos transformadores, muitas risadas, muitos momentos de felicidade e alegria, muito pé-no-chão, e que, nos momentos de tristeza - não adianta nos iludirmos, eles existem - eu possa crescer com cada um deles e ter uma reflexão positiva sobre tudo o que a vida me propor.

PARABÉNS PARA MIM!!!* :D

*adiantado. Nasci dia 16... rs...
Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Memórias natalinas

A Jornada de Renata Quintela ♥

Levando para a semana que começa a energia inspiradora da descoberta rica e preciosa da semana que acabou. ♥
A Jornada de Renata Quintella

Para Bertoli...

“A maior distância que eu já percorri foi entre minha cabeça e meu coração.”
- Tadashi Kadomoto


Lembro que eu queria surtar. De verdade. Queria surtar para que me internassem e me deixassem em paz. Para que não me cobrassem nada, para que não me pedissem nada, para que não falassem comigo. Queria adoecer meu corpo e tentei de várias formas conseguir isso. Só para ficar em paz.

Queria paz. Algo tão caro, tão importante, tão simples, tão perto e tão distante.

Recordo o dia em que encontrei a paz. Eu ria. Chorava e ria. Nascia leve e feliz. O sofrimento? A dor? Tudo havia ficado para trás. Eu era apenas aquela sensação de amor – por mim mesma, a quem nunca havia amado.

Agora, eu já podia abraçar o mundo! Podia concretizar meus sonhos. Podia amar a mim e não só os outros. Sabia e sentia o significado das coisas. Podia seguir meu caminho e viver a minha vida.

O encontro com o AMOR INCONDICIONAL... Foi marcante. De repente eu era a forma de amor que aquele ser humano tanto quis e nunca encontrou.…