Pular para o conteúdo principal

Diário de Viagem

Quando viajo, meu olhar parece mais atento e sensível para tudo o que me cerca. Talvez, sejam os destinos escolhidos - sempre com natureza farta por perto, de preferência tendo o mar como protagonista.

Novas percepções chegam. Inspirações. Poesia em forma de gente. Trocas riquíssimas. E eu - quase nunca - transportava este universo para o papel. 

Para o último feriado, levei um caderninho. E coração aberto para deixar as palavras tentarem traduzir para o papel alguns momentos que vivi. Viajando sozinha, as oportunidades para escrever eram fartas.

E assim foi. Sem preocupar-me com regras. Mais como um registro de pessoas, cenas, inspirações.

Exercício. Exercício. Exercício.

Dos mais prazerosos.




Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Memórias natalinas

Para Bertoli...

“A maior distância que eu já percorri foi entre minha cabeça e meu coração.”
- Tadashi Kadomoto


Lembro que eu queria surtar. De verdade. Queria surtar para que me internassem e me deixassem em paz. Para que não me cobrassem nada, para que não me pedissem nada, para que não falassem comigo. Queria adoecer meu corpo e tentei de várias formas conseguir isso. Só para ficar em paz.

Queria paz. Algo tão caro, tão importante, tão simples, tão perto e tão distante.

Recordo o dia em que encontrei a paz. Eu ria. Chorava e ria. Nascia leve e feliz. O sofrimento? A dor? Tudo havia ficado para trás. Eu era apenas aquela sensação de amor – por mim mesma, a quem nunca havia amado.

Agora, eu já podia abraçar o mundo! Podia concretizar meus sonhos. Podia amar a mim e não só os outros. Sabia e sentia o significado das coisas. Podia seguir meu caminho e viver a minha vida.

O encontro com o AMOR INCONDICIONAL... Foi marcante. De repente eu era a forma de amor que aquele ser humano tanto quis e nunca encontrou.…