Pular para o conteúdo principal

Uma oração ♥

Uma oração! ♥


O que faço sou eu - por isso eu vim
(Para Gerard Manley Hopkins)

O que faço sou eu - por isso eu vim.
O que faço sou eu!
Por isso eu vim ao mundo!
Assim disse Gerard;
Assim disse o gentil Manley Hopkins.
Em sua poesia e prosa, ele viu os fatos que escolheu.
Em sua genética, libertou-se então para encontrar o seu caminho
Entre as impressões elétricas e espertas em seu sangue.
Deus marcou você com suas impressões digitais! Ele disse.
Na hora em que você nasceu,
Das mãos à testa, Ele marcou você levemente com impressões digitais.
As cordilheiras e os símbolos da sua alma diante dos seus olhos!
Mas, nessa mesma hora, completamento nascido e berrando
Chocantes pronunciamentos do nascimento de alguém,
No olhar no espelho da parteira, mãe, médico,
Vê-se aquela impressão digital se descolorir e sumir na carne.
Então, perdida, apagada, você procura por ela durante a vida
E cava fundo para encontrar ali as doces instruções
Inseridas quando Deus primeiro veio e as imprimiu em ti.
Vida:
"Siga em frente! Faça isso! Faça aquilo! Faça mais isso! Este eu é seu! Sê-lo!"
"E o que é isso?!", você grita com o peito e o coração.
Não há descanso? Não, apenas a jornada para se tornar você mesmo.
E mesmo quando a marca de nascimento desaparece, na orelha da concha,
Agora sumindo da vista, as últimas palavras dele para você no
Mundo:
"Nem mãe, nem pai, nem avô são você.
Não seja outro. Seja o eu que marquei em seu sangue.
Enchi sua carne de você. Busque isso.
E, ao encontrar, seja o que ninguém mais pode ser.
E espalhe as suas dádivas de destino mais secretas; não busque outro destino,
Se fizer isso, nenhuma cova será profunda o bastante para o seu desespero.
Nenhum país será grande o bastante para esconder a sua perda.
Eu circum-naveguei cada célula em você.
A mais simples molécula em você é correta e verdadeira.
Procure lá os destinos indeléveis e bons
E raros.
Dez mil futuros compartilham o seu sangue a cada instante;
Em cada gota de sangue, um gêmeo clonado de você.
Na menor ferida da sua mão estão réplicas do que eu
Planejei
E sabia
Antes do seu nascimento, então escondi em seu coração.
Não há nenhuma parte de você que não aqueça e acolha e esconda
O eu que você será se tiver fé.
O que você faz é você. Para isso lhe dei a vida.
Seja-o. Seja o único você, o verdadeiro você na terra."
Querido Hopkins. Gentil Manley. Raro Gerard. Bom Nome.
O que fazemos somos nós. Por causa de você. Por isso viemos.

{ O zen e a arte da escrita | Ray Bradbury }
Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Memórias natalinas

A Jornada de Renata Quintela ♥

Levando para a semana que começa a energia inspiradora da descoberta rica e preciosa da semana que acabou. ♥
A Jornada de Renata Quintella

Para Bertoli...

“A maior distância que eu já percorri foi entre minha cabeça e meu coração.”
- Tadashi Kadomoto


Lembro que eu queria surtar. De verdade. Queria surtar para que me internassem e me deixassem em paz. Para que não me cobrassem nada, para que não me pedissem nada, para que não falassem comigo. Queria adoecer meu corpo e tentei de várias formas conseguir isso. Só para ficar em paz.

Queria paz. Algo tão caro, tão importante, tão simples, tão perto e tão distante.

Recordo o dia em que encontrei a paz. Eu ria. Chorava e ria. Nascia leve e feliz. O sofrimento? A dor? Tudo havia ficado para trás. Eu era apenas aquela sensação de amor – por mim mesma, a quem nunca havia amado.

Agora, eu já podia abraçar o mundo! Podia concretizar meus sonhos. Podia amar a mim e não só os outros. Sabia e sentia o significado das coisas. Podia seguir meu caminho e viver a minha vida.

O encontro com o AMOR INCONDICIONAL... Foi marcante. De repente eu era a forma de amor que aquele ser humano tanto quis e nunca encontrou.…