Pular para o conteúdo principal

Ermã



Há 21 anos eu chegava da escola e encontrava a casa vazia. Minha mãe não estava em casa. Havia ido parir você! ^^

E foi uma expectativa só. Seria menino ou menina? Esperávamos fechar a conta para ficar 'combinandinho': duas meninas e dois meninos! Veio você! E ficamos muito felizes!

Já de cara, vi que seu signo era leão, descobri seu ascendente e o signo no horóscopo chinês. Secretamente, eu já havia escolhido seu nome, inspirada em uma artista brilhante e forte - você deveria conhecer Camille Claudel -, para que fosse sempre fiel a suas aspirações e sonhos. E não é que deu certo?! Você é ate demais! Hihi 

E, durante anos, meio que brinquei de ser sua mãe. A ponto de até a mãe se confundir e te chamar de minha filha. Rs... 

Hoje, você chega aos 21. A menina de 16 acompanhou seu crescimento, vendo a bebê linda virar menina, mulher. Sente orgulho da sua tenacidade e firmeza diante de tudo - mas, pede que você tenha mais flexibilidade, pois a vida ensina com mais carinho aos que sabem que haverá desvios nos caminhos e que, está tudo certo, é assim que a gente cresce e evolui.

Feliz renascimento, Ermã! Que seja um novo ciclo cheio de sonhos realizados, de um tantão de alegrias e sorrisos!

Te amo!
A Ermã mais velha - sem a qual nenhum dos outros quatro seriam possíveis! Hihi


Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Memórias natalinas

A Jornada de Renata Quintela ♥

Levando para a semana que começa a energia inspiradora da descoberta rica e preciosa da semana que acabou. ♥
A Jornada de Renata Quintella

Para Bertoli...

“A maior distância que eu já percorri foi entre minha cabeça e meu coração.”
- Tadashi Kadomoto


Lembro que eu queria surtar. De verdade. Queria surtar para que me internassem e me deixassem em paz. Para que não me cobrassem nada, para que não me pedissem nada, para que não falassem comigo. Queria adoecer meu corpo e tentei de várias formas conseguir isso. Só para ficar em paz.

Queria paz. Algo tão caro, tão importante, tão simples, tão perto e tão distante.

Recordo o dia em que encontrei a paz. Eu ria. Chorava e ria. Nascia leve e feliz. O sofrimento? A dor? Tudo havia ficado para trás. Eu era apenas aquela sensação de amor – por mim mesma, a quem nunca havia amado.

Agora, eu já podia abraçar o mundo! Podia concretizar meus sonhos. Podia amar a mim e não só os outros. Sabia e sentia o significado das coisas. Podia seguir meu caminho e viver a minha vida.

O encontro com o AMOR INCONDICIONAL... Foi marcante. De repente eu era a forma de amor que aquele ser humano tanto quis e nunca encontrou.…