Pular para o conteúdo principal

Das listas ao caos

Eu uso e abuso da opção de criar listas em algumas redes sociais - caso do  Facebook e do Twitter. Assim, em um universos de contatos e assuntos que me interessam, consigo permanecer informada sobre o que pessoas de grupos específicos têm de novidade para compartilhar. 

Das opções básicas do Face - Conhecidos, Família e Melhores Amigos - fui criando outras. Cinco, seis... muitas. Mas, cansei. Queria experimentar como alguém que não utiliza este recurso - a maioria dos usuários nem fazem ideia que ele existe - experienciam a rede social. Exclui. Não todas; as possíveis. Por padrão, três listas não podem ser excluídas, apenas arquivadas.

Por que excluir as listas? Para colocar um pouco de caos na ordem que criei. Vez ou outra, é bom desorganizar a vida, sair do caminho certinho que seguimos, para permitir que o novo aconteça; que a vida nos surpreenda. 

Eu sei. É só uma rede social. Contudo, você acredita mesmo que pode mexer no macro, assim, de cara? Eu não. A mudança começa no micro; é individual; é interna. Só aparenta pequeneza. Quando se vê, foi! Mudamos.

Mas, moça, porque mexer no que está ali, certinho, aprumado e engomado, seguindo seu curso?! Ah! Porque é divertido. Porque provoca movimento. Porque eu gosto. E só. 


Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Memórias natalinas

A Jornada de Renata Quintela ♥

Levando para a semana que começa a energia inspiradora da descoberta rica e preciosa da semana que acabou. ♥
A Jornada de Renata Quintella

Para Bertoli...

“A maior distância que eu já percorri foi entre minha cabeça e meu coração.”
- Tadashi Kadomoto


Lembro que eu queria surtar. De verdade. Queria surtar para que me internassem e me deixassem em paz. Para que não me cobrassem nada, para que não me pedissem nada, para que não falassem comigo. Queria adoecer meu corpo e tentei de várias formas conseguir isso. Só para ficar em paz.

Queria paz. Algo tão caro, tão importante, tão simples, tão perto e tão distante.

Recordo o dia em que encontrei a paz. Eu ria. Chorava e ria. Nascia leve e feliz. O sofrimento? A dor? Tudo havia ficado para trás. Eu era apenas aquela sensação de amor – por mim mesma, a quem nunca havia amado.

Agora, eu já podia abraçar o mundo! Podia concretizar meus sonhos. Podia amar a mim e não só os outros. Sabia e sentia o significado das coisas. Podia seguir meu caminho e viver a minha vida.

O encontro com o AMOR INCONDICIONAL... Foi marcante. De repente eu era a forma de amor que aquele ser humano tanto quis e nunca encontrou.…