Pular para o conteúdo principal

Gratidão 2012! Vem 'ni mim' 2013! =)

Foto/Arte: Glê Morais

Dois mil e doze começou incerto. Sem trabalho. Sem dinheiro. Uma página em branco na qual deveria escrever minha caminhada do jeitinho que eu desejasse. 

A virada, num quarto de hospital, como acompanhante da sobrinha de nove anos, que, em um mês de internação, ensinou muito para os adultos a sua volta. 

À meia-noite, a Isa dormia. Brindei sozinha - e, ao mesmo tempo, acompanhada de tantos que estavam comigo em pensamento - com guaraná e uvas. Com meu vestido laranja. Emocionada, me despedindo de um ano que havia sido intenso para mim.

Foram muitas as conquistas! Amizades virtuais vieram para o off-line. De parcerias profissionais, brotaram amizades. De amizades, nasceram parcerias profissionais.

Gente que apostou em mim, quando eu ainda não havia me apropriado das minhas potencialidades. 

E foram tantos encontros este ano, que me fizeram um cadinho maior do que eu sou! Encontros profissionais, encontros pessoais, todos recheados de amizade e carinho!

Eu agradeço a cada um deles!

Vou encerrar 2012 pertinho da natureza, olhando para trás com o coração transbordando de contentamento, alegria e gratidão! Inteira. E grávida de futuro (beijo pra Clarice Lispector!), mas curtindo e vivendo ao máximo o presente!

A todos,
A 2012,
À vida,
Ao Papai do Céu
 Sou grata!

#Vemnimim2013!!!
^^)



Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Memórias natalinas

A Jornada de Renata Quintela ♥

Levando para a semana que começa a energia inspiradora da descoberta rica e preciosa da semana que acabou. ♥
A Jornada de Renata Quintella

Para Bertoli...

“A maior distância que eu já percorri foi entre minha cabeça e meu coração.”
- Tadashi Kadomoto


Lembro que eu queria surtar. De verdade. Queria surtar para que me internassem e me deixassem em paz. Para que não me cobrassem nada, para que não me pedissem nada, para que não falassem comigo. Queria adoecer meu corpo e tentei de várias formas conseguir isso. Só para ficar em paz.

Queria paz. Algo tão caro, tão importante, tão simples, tão perto e tão distante.

Recordo o dia em que encontrei a paz. Eu ria. Chorava e ria. Nascia leve e feliz. O sofrimento? A dor? Tudo havia ficado para trás. Eu era apenas aquela sensação de amor – por mim mesma, a quem nunca havia amado.

Agora, eu já podia abraçar o mundo! Podia concretizar meus sonhos. Podia amar a mim e não só os outros. Sabia e sentia o significado das coisas. Podia seguir meu caminho e viver a minha vida.

O encontro com o AMOR INCONDICIONAL... Foi marcante. De repente eu era a forma de amor que aquele ser humano tanto quis e nunca encontrou.…