Pular para o conteúdo principal

Meu presente de Natal



Ontem, indo visitar a Isa, fui abordada no Metrô por duas pessoas que estavam perdidas na Linha 4: uma senhora e um rapaz colombiano. Como a Linha Amarela era minha direção, sugeri que me acompanhassem.

Com o colombiano, estabeleci logo um diálogo para desenferrujar meu espanhol. Fazia MUITO tempo que 'no hablava'! rs... Pedi desculpas pelo 'portunhol', mas ele disse que eu falava bem. Que bom! =) Mas, este não foi meu presente de Natal.

O rapaz logo desceu e eu continuei conversando com a senhora, que desceria na estação Pinheiros. Eu expliquei a ela como fazer, já que eu desceria na Paulista. A moça que estava sentada ao lado,  disse a ela que não se preocupasse, pois desceria em Pinheiros. A senhora perguntou para onde ela iria e esta respondeu: Capão Redondo. A 'vovózinha' (tenho certeza de que posso chamá-la assim) começou a rir e disse:

_ Está vendo como Deus é?! Sempre coloca em nossos caminhos aqueles que podem nos ajudar. No meu, primeiro colocou você (apontando para mim) e depois ela (apontando para a moça), porque ela vai para o mesmo destino que eu!

Acolhi com o coração transbordando AMOR este presente enviando para mim! Para mim, isto é Natal.

E eu nem perguntei o nome dela... mas, Anjo num precisa de nome!

FELIZ NATAL!!!
Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Memórias natalinas

A Jornada de Renata Quintela ♥

Levando para a semana que começa a energia inspiradora da descoberta rica e preciosa da semana que acabou. ♥
A Jornada de Renata Quintella

Para Bertoli...

“A maior distância que eu já percorri foi entre minha cabeça e meu coração.”
- Tadashi Kadomoto


Lembro que eu queria surtar. De verdade. Queria surtar para que me internassem e me deixassem em paz. Para que não me cobrassem nada, para que não me pedissem nada, para que não falassem comigo. Queria adoecer meu corpo e tentei de várias formas conseguir isso. Só para ficar em paz.

Queria paz. Algo tão caro, tão importante, tão simples, tão perto e tão distante.

Recordo o dia em que encontrei a paz. Eu ria. Chorava e ria. Nascia leve e feliz. O sofrimento? A dor? Tudo havia ficado para trás. Eu era apenas aquela sensação de amor – por mim mesma, a quem nunca havia amado.

Agora, eu já podia abraçar o mundo! Podia concretizar meus sonhos. Podia amar a mim e não só os outros. Sabia e sentia o significado das coisas. Podia seguir meu caminho e viver a minha vida.

O encontro com o AMOR INCONDICIONAL... Foi marcante. De repente eu era a forma de amor que aquele ser humano tanto quis e nunca encontrou.…