Pular para o conteúdo principal

Amor & Sal, by Marini Lopes


Vale muito uma visita ao blog da Marini Lopes: Brincando de Pensar

Amor & Sal



Ao se pensar em como se deve amar, logo sugiro a você que pense no sal.
Acredito que AMAR seja como degustá-lo.
Não se consegue comer um quilo de sal no mesmo dia.
Para muitas pessoas, uma pitada já é o suficiente.
Se posto demais na refeição, ela se torna ingerível.
Mesmo sabendo a medida, algumas vezes haverá o erro.
Há aqueles que gostam mais do que o de costume, e normalmente não se contentam com o que é colocado. Sempre querem mais.
Outros se contentam com o que lhes é oferecido. Assim, aprendem a apreciar outras medidas.
Quem não está acostumado com o seu sabor, pode demorar um pouco para apreciá-lo.
Algumas pessoas podem até passar mal na ausência dele e não conseguem substituí-lo por outro tempero.
Já outras, vivem bem sem. Apreciam outros temperos ao invés de consumí-lo sempre.
Assim como o SAL, o amor é um gosto e uma medida individual.
Cada um sabe a quantia que gosta, até provar outras medidas para ter certeza.
Ao experimentá-lo numa medida diferente da de costume, pode ser que se sinta dependente dele ou nunca mais queira apreciá-lo novamente.
Talvez, seja esse um dos segredos do amor.
Ter a consciência de que seu excesso pode fazer mal.
Olhar sempre o seu pote, para não deixa-lo esvaziar caso você o use sempre.
Saber o que fazer na ausência dele.
Buscar se satisfazer, de acordo com o seu gosto.
Ao amar, lembre-se:
Com o tempo, aprendemos a medida certa!
1 comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Memórias natalinas

A Jornada de Renata Quintela ♥

Levando para a semana que começa a energia inspiradora da descoberta rica e preciosa da semana que acabou. ♥
A Jornada de Renata Quintella

Para Bertoli...

“A maior distância que eu já percorri foi entre minha cabeça e meu coração.”
- Tadashi Kadomoto


Lembro que eu queria surtar. De verdade. Queria surtar para que me internassem e me deixassem em paz. Para que não me cobrassem nada, para que não me pedissem nada, para que não falassem comigo. Queria adoecer meu corpo e tentei de várias formas conseguir isso. Só para ficar em paz.

Queria paz. Algo tão caro, tão importante, tão simples, tão perto e tão distante.

Recordo o dia em que encontrei a paz. Eu ria. Chorava e ria. Nascia leve e feliz. O sofrimento? A dor? Tudo havia ficado para trás. Eu era apenas aquela sensação de amor – por mim mesma, a quem nunca havia amado.

Agora, eu já podia abraçar o mundo! Podia concretizar meus sonhos. Podia amar a mim e não só os outros. Sabia e sentia o significado das coisas. Podia seguir meu caminho e viver a minha vida.

O encontro com o AMOR INCONDICIONAL... Foi marcante. De repente eu era a forma de amor que aquele ser humano tanto quis e nunca encontrou.…