Pular para o conteúdo principal

Divine Secrets of the Ya-Ya Sisterhood

"O Poder que me criou me deu poder de criar minha nova vida"  
Louse Hay

E se pudessemos realizar uma viagem no tempo e ter a oportunidade de conhecer melhor a vida de quem escolheu nos gerar e nos abrigar nesta nossa estada neste plano. Seria que teríamos um olhar mais acolhedor, compreensivo para com as falhas de nossos pais, esses seres que são tão humanos como nós?

O filme Divine Secrets of the Ya-Ya Sisterhood (Divinos Segredos, no Brasil) propõe e faz essa viagem de forma humana e delicada. Quantas bobeirinhas entre mães e filhas não poderiam ser resolvidas se pudéssemos penetrar na alma de nossas genitoras e percebemos como a vida delas foi difícil? Infinitas horas de terapia economizadas.

Em minha caminhada por alguns processos terapêuticos pude observar o quanto desencontros na relação entre pais e filhos causam traumas profundos na vida de um indivíduo. E não precisam ser grandes conflitos; as origens dos traumas podem ser encontradas em eventos considerados corriqueiros. E frases ditas sem que se pense no peso de suas palavras.

Voltando ao filme, Divinos Segredos trata os conflitos de forma bem humorada e cuidadosa. E sem cair na fantasia. É um filme para ver, rever e ver infinitas vezes.



Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Memórias natalinas

A Jornada de Renata Quintela ♥

Levando para a semana que começa a energia inspiradora da descoberta rica e preciosa da semana que acabou. ♥
A Jornada de Renata Quintella

Para Bertoli...

“A maior distância que eu já percorri foi entre minha cabeça e meu coração.”
- Tadashi Kadomoto


Lembro que eu queria surtar. De verdade. Queria surtar para que me internassem e me deixassem em paz. Para que não me cobrassem nada, para que não me pedissem nada, para que não falassem comigo. Queria adoecer meu corpo e tentei de várias formas conseguir isso. Só para ficar em paz.

Queria paz. Algo tão caro, tão importante, tão simples, tão perto e tão distante.

Recordo o dia em que encontrei a paz. Eu ria. Chorava e ria. Nascia leve e feliz. O sofrimento? A dor? Tudo havia ficado para trás. Eu era apenas aquela sensação de amor – por mim mesma, a quem nunca havia amado.

Agora, eu já podia abraçar o mundo! Podia concretizar meus sonhos. Podia amar a mim e não só os outros. Sabia e sentia o significado das coisas. Podia seguir meu caminho e viver a minha vida.

O encontro com o AMOR INCONDICIONAL... Foi marcante. De repente eu era a forma de amor que aquele ser humano tanto quis e nunca encontrou.…