Pular para o conteúdo principal

Para Luiza...


            Um dia desses uma mocinha me fez um desses carinhos que enchem o coração de afeto e os olhos de lágrimas. E como todos nós somos assim: seres necessitados de afeto e de carinho! Lembrei de algo que meu maravilhoso mestre japonês diz, “as pessoas precisam de carícias e de reconhecimento”. E eu gosto demais disso!
            Hoje, na festa junina no Instituto Tadashi Kadomoto, deixei queimar algumas coisas que não me servem mais naquela fogueira. E ando, mais uma vez, nessa caminhada do desapego. Libertando-me do que me faz mal, do que eu não acredito, do que já não pode me acrescentar. Acredito que essa caminhada é eterna, nesse plano no qual nos encontramos.
            Quando decidi deixar de dar aulas, muitos julgaram que é por conta dos adolescentes com os quais lido. Não é. Amo esses seres que se encontram nessa fase rica em descobertas, alegrias e conflitos. Eu gosto dessa intensidade! Eles sempre nos surpreendem - como a minha aluna o fez no post destacado abaixo.
            Essa postagem não é para eu discorrer sobre as mudanças que estão acontecendo. É para agradecer e retribuir o carinho a essa menina linda, que bem poderia ser minha filha, pois vejo nela uma inquietação que é muito minha.
            Gratidão, Luiza, pelo carinho. Gestos assim deixam nossa existência BEM florida! : )
            Repito o segredinho que já te contei: a felicidade está aí, dentro de você. Pode demorar alguns anos, mas você perceberá isso com o tempo. O caminho para a felicidade, você já começou a trilhar... faz tempo. ; )
            Carinho,
            Prô Gleide.

 “eu me sinto bem,
por ter alguém que me ajude, sem ao menos perceber isso, com simples conversas por msn. Um alguém que me conhece a pouco tempo, e que não ganharia minha confiança tão rápido. Um professor! Quem um dia já se imaginou conversando com seu professor por msn? E contando coisas suas, coisas intimas, coisas que você conta a um amigo. E ter ‘conselhos’ de alguém mais velho faz muita diferença, pode pá. [...] MAAAAAAS, voltando ao assunto, esse ano, minha professora de português mudou (graças a deus), e entrou uma professora SUPER legal man, super. Ela é muito diferente de outras professoras, ela é jovem, hahhaha! ela tem twitter oO Então, eu falo com ela no msn assim, as vezes, mais das poucas vezes que eu falei com ela, NOOOSSA, ela sempre me faz refletir.. Dai eu fico pensando, eu quero ser assim man *-* Eu quero saber ajudar as pessoas, eu quero ser lembrada depois de anos. Eu não posso mudar o mundo, não posso mudar a maneira de todos pensarem, mais posso fazer a minha parte e ser MUITO feliz com isso. Posso procurar meu caminho, posso demorar a encontrar, mais posso encontrar logo. Posso conhecer o homem dos meus sonhos, ou posso ser solteira por mais uns 20 anos. Posso viajar pelo mundo a procura da felicidade, ou posso encontra-lá do outra lado da rua. EU SÓ QUERO GUARDAR O QUE FOI BOM, E JOGAR FORA O QUE RESTOU. que a felicidade venha ao meu encontro (yN)
NOOOOSSA, to numa briza monstra hoje, mudei de assunto 1000 vezes. Mais tudo isso foi pra dizer uma coisinha pra minha nova professora;
Gleide Morais, se você não tá se sentindo realizada em sua vida, ou profissão, VAI CORRER ATRÁS DE SER FELIZ MULHEEEEER! Não vô mais ficar pedindo pra você ficar, não largar a gente, não parar de dar aula, (até porque mesmo conversando muito, eu amo sua aula) vai ser feliz, vai fazer o que você gosta! Eu aprendi que quando a gente gosta, a gente tem que desejar o melhor pra essa pessoa, mesmo que o melhor pra ela não seja o melhor para nós. Então, como eu gosto mesmo de você, TOMARA QUE VOCÊ ENCONTRE O QUE VOCÊ GOSTA, E QUE SEJA MT FELIZ =)
são palavras de uma menininha que não conhece sua história, mais que sabe reconhecer um olhar. Tudo de melhor pra você pro, desejo de coração.”

2 comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Memórias natalinas

A Jornada de Renata Quintela ♥

Levando para a semana que começa a energia inspiradora da descoberta rica e preciosa da semana que acabou. ♥
A Jornada de Renata Quintella