Pular para o conteúdo principal

Apadrinhar: eu também espalho essa ideia



“[...] Ó Mestre fazei com que eu procure mais
Consolar que ser consolado
Compreender que ser compreendido
Amar que ser amado
Pois é dando que se recebe
É perdoando que se é perdoado
E é morrendo que se vive
Para a vida eterna.”
- Oração de São Francisco

A Oração de São Francisco me tocou desde a primeira vez em que a ouvi. Era capaz de me fazer chorar por encontrar minhas idéias tão bem expressadas em suas frases. Não que eu seja o desapego em pessoa ou tenha vocação para ser como Madre Teresa de Calcutá ou Irmã Dulce. Mas, sempre achei que o caminho para a cura de nossas dores é a doação, o cuidar do outro.

Também não é porque eu creia em todos os paradigmas desta oração que eu consiga segui-los ao pé da letra. Aqui e ali, eu vou me encontrando. Uma coisa para mim é certa. Sou mais completa e feliz quando estou sendo canal de cura, de amor para os outros. E como isso acontece? Como isso pode ser feito?

Essa é uma das minhas experiências: há algumas semanas, li no blog da Cris Guerra – Hoje Vou Assim – um depoimento dela sobre apadrinhamento. Senti-me tocada. E como cada dia mais aprendo a ouvir meu coração, decidi apadrinhar uma criança também, pela mesma instituição, o Fundo Cristão Para Crianças. Com uma contribuição mensal, ajudo a melhorar a vida de uma criança, e da comunidade a qual pertence, dando-lhe condições de estudos, acesso ao sistema de saúde, enfim, a uma vida mais digna. E não preciso ficar só na doação do dinheiro. Também posso me corresponder com meu afilhado – no meu caso, o Lucas, que tem 8 anos – enviar presentes e visitá-lo, tudo com a intermediação do Fundo Cristão. Posso doar carinho, atenção e amor também.

Como professora, lecionando na periferia de São Paulo, me deparei com algo assustador: meus alunos, em sua maioria, não sonham. Como um ser humano pode viver sem sonhar, sem acreditar que a vida tem algo de bom a oferecer? É uma luta diária tentar despertar o lado sonhador dessas crianças. Apadrinhando, eu posso contribuir para que meu afilhado jamais perca o poder de sonhar.

Se seu coração precisa se sentir aquecido, acarinhado, amado, não conheço outra receita que as dos versos da oração de São Francisco: “É DANDO QUE SE RECEBE”. Apadrinhe também. ; )

Para acessar o site do Fundo Cristão => [clique aqui]
Para apadrinhar a ajudar a espalhar essa ideia => [clique aqui]
Para visitar o Hoje Vou Assim e ler o depoimento da Cris Guerra ao conhecer seu afilhado => [clique aqui]

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Memórias natalinas

A Jornada de Renata Quintela ♥

Levando para a semana que começa a energia inspiradora da descoberta rica e preciosa da semana que acabou. ♥
A Jornada de Renata Quintella

Para Bertoli...

“A maior distância que eu já percorri foi entre minha cabeça e meu coração.”
- Tadashi Kadomoto


Lembro que eu queria surtar. De verdade. Queria surtar para que me internassem e me deixassem em paz. Para que não me cobrassem nada, para que não me pedissem nada, para que não falassem comigo. Queria adoecer meu corpo e tentei de várias formas conseguir isso. Só para ficar em paz.

Queria paz. Algo tão caro, tão importante, tão simples, tão perto e tão distante.

Recordo o dia em que encontrei a paz. Eu ria. Chorava e ria. Nascia leve e feliz. O sofrimento? A dor? Tudo havia ficado para trás. Eu era apenas aquela sensação de amor – por mim mesma, a quem nunca havia amado.

Agora, eu já podia abraçar o mundo! Podia concretizar meus sonhos. Podia amar a mim e não só os outros. Sabia e sentia o significado das coisas. Podia seguir meu caminho e viver a minha vida.

O encontro com o AMOR INCONDICIONAL... Foi marcante. De repente eu era a forma de amor que aquele ser humano tanto quis e nunca encontrou.…