Pular para o conteúdo principal

A Menina que Roubava Livros




Esse é para chorar muito. Pelo menos para os muito sensíveis, como eu. “A menina que roubava livros”, Editora Intrínseca, de Markus Zusak, foi a obra que me fez ter um olhar de compreensão e cumplicidade para um lado da Alemanha nazista que eu nem sequer (vergonha) julgava existir: a dos alemães pobres (paupérrimos) tão vítimas da guerra como qualquer não-ariano. 


A menina que roubava livros” é Liesel Meminger, alemã de origem humilde, filha de comunistas, que tem seu primeiro contato com a Morte (assim mesmo, personificada) ao presenciar a morte de seu irmão, quando ambos estão sendo levados para adoção. A Morte é narradora da história da pequena Liesel e de todas as mazelas de que os seres humanos são capazes. O fato de apresentar uma narradora tão inusitada torna a leitura ainda mais interessante. Longe daquela figura terrível e macabra, a Morte é um ser que se compadece da capacidade (!) do homem de causar o mal.


Linhas belamente escritas tratam das amizades de Liesel com seu pai adotivo, Hans Hubermann, seu amigo Rudy Steiner, com a mulher do prefeito e a surpreendente amizade com o judeu do porão, Max Vandenburg.


Por que ler “A menina que roubava livros”? Para não nos distanciarmos nunca de nossa humanidade.
Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Memórias natalinas

A Jornada de Renata Quintela ♥

Levando para a semana que começa a energia inspiradora da descoberta rica e preciosa da semana que acabou. ♥
A Jornada de Renata Quintella

Para Bertoli...

“A maior distância que eu já percorri foi entre minha cabeça e meu coração.”
- Tadashi Kadomoto


Lembro que eu queria surtar. De verdade. Queria surtar para que me internassem e me deixassem em paz. Para que não me cobrassem nada, para que não me pedissem nada, para que não falassem comigo. Queria adoecer meu corpo e tentei de várias formas conseguir isso. Só para ficar em paz.

Queria paz. Algo tão caro, tão importante, tão simples, tão perto e tão distante.

Recordo o dia em que encontrei a paz. Eu ria. Chorava e ria. Nascia leve e feliz. O sofrimento? A dor? Tudo havia ficado para trás. Eu era apenas aquela sensação de amor – por mim mesma, a quem nunca havia amado.

Agora, eu já podia abraçar o mundo! Podia concretizar meus sonhos. Podia amar a mim e não só os outros. Sabia e sentia o significado das coisas. Podia seguir meu caminho e viver a minha vida.

O encontro com o AMOR INCONDICIONAL... Foi marcante. De repente eu era a forma de amor que aquele ser humano tanto quis e nunca encontrou.…