Pular para o conteúdo principal

Questão de tempo...

Em vários momentos da vida nos deparamos com situações, sensações, emoções ou sentimentos difíceis de digerir. Sabemos que é uma questão de tempo, pois tudo sempre passa, nada é duradouro. Mesmo assim, sofremos.

A REJEIÇÃO é uma dessas sensações ingratas de se conviver. Pode vir do amor da nossa vida ou simplesmente daquele carinha que acabamos de conhecer e estamos paquerando... o efeito devastador é o mesmo.

Desabando ou simplesmente aceitando, dentro de nós fica alguma coisa incomodando, piscando, tentando chamar a atenção. Você sabe que algo está errado, por mais bem resolvida que esteja.

Já perdi um grande amor. A rejeição vinda dele foi devastadora e deixou efeitos que perduraram por muito tempo. Contudo, fiquei em pé novamente. Aliás, inacreditável foi o dia em que abri os olhos e percebi que não doía mais. Que aquela sensação intermitente de inadequação, de que algo estava errado tinha ido embora. Sumiu. Assim mesmo. Do nada.

Sei da necessidade de permitir me envolver nessa aura, para que tudo se expurgue. Para que não haja resquícios dessa sensação depois. Mas, é ruim. Disso não há como fugir. Vindo do nosso grande amor ou não...

Eu não tenho medo do não. Engraçado. Tenho mais medo da angústia do “não saber”. Isso me mata. Mesmo sabendo que a resposta do que quero descobrir possa trazer essa sensação que sinto agora.

O bom – ainda bem que em tudo há um lado positivo – é que esse tipo de situação não faz esmorecer meu desejo de continuar tentando, de acreditar nas pessoas e nos relacionamentos. No fundo sabemos que tudo é uma questão de tempo...


“Românticos são lindos
românticos são limpos e pirados
que choram com baladas
que amam sem vergonhae sem juízo
(...)Conhecem o gosto raro
de amar sem medo
de outra desilusão...”

- Rita Ribeiro
2 comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Memórias natalinas

A Jornada de Renata Quintela ♥

Levando para a semana que começa a energia inspiradora da descoberta rica e preciosa da semana que acabou. ♥
A Jornada de Renata Quintella

Para Bertoli...

“A maior distância que eu já percorri foi entre minha cabeça e meu coração.”
- Tadashi Kadomoto


Lembro que eu queria surtar. De verdade. Queria surtar para que me internassem e me deixassem em paz. Para que não me cobrassem nada, para que não me pedissem nada, para que não falassem comigo. Queria adoecer meu corpo e tentei de várias formas conseguir isso. Só para ficar em paz.

Queria paz. Algo tão caro, tão importante, tão simples, tão perto e tão distante.

Recordo o dia em que encontrei a paz. Eu ria. Chorava e ria. Nascia leve e feliz. O sofrimento? A dor? Tudo havia ficado para trás. Eu era apenas aquela sensação de amor – por mim mesma, a quem nunca havia amado.

Agora, eu já podia abraçar o mundo! Podia concretizar meus sonhos. Podia amar a mim e não só os outros. Sabia e sentia o significado das coisas. Podia seguir meu caminho e viver a minha vida.

O encontro com o AMOR INCONDICIONAL... Foi marcante. De repente eu era a forma de amor que aquele ser humano tanto quis e nunca encontrou.…