Pular para o conteúdo principal

Falando de mim...


Eu sou sonhadora. Confesso. Talvez seja esse meu maior pecado. E acredito nas pessoas. Outro pecado enorme nos dias atuais. Pelo menos é o que me dizem.

Sou aquele tipo que sonha de olhos abertos. Na verdade, prefiro fechar os olhos para sonhar, contudo nem sempre isso é possível. É claro, que em tempos de trânsito congestionado, de metrô parando a todo o momento, é fácil arranjar tempo para minha distração preferida.

Às vezes viajo tanto que sou a primeira a me repreender por ser esse ser tão avoado. Mas, tenho cá meus pés bem fincados no chão, como boa capricorniana que sou. Romântica com um pé no Realismo. José de Alencar com um misto de Machado de Assis.

Esse defeito (!) diminuiu muito nos últimos anos. Imagina o que era ser assim na adolescência? Fase difícil. De querer tudo e nada. Ao mesmo tempo. Não sonhar era muito difícil naquela época. Principalmente para a garota retraída que fui. Época complicada. Ainda bem que passou.

Quanto a acreditar nas pessoas, esse deve ser meu pecado incurável. Eu simplesmente não consigo esperar o pior dos outros. Não acredito que alguém minta para mim por qualquer razão que seja.

Somos todos dia e noite, sol e chuva, bem e mal, calor e frio. Temos nossos momentos de escuridão. Descemos ao fundo do poço. Tropeçamos. Caímos. Porém, num piscar de olhos, estamos em pé, com a dignidade reluzente, um sorriso estampado no rosto e toda a esperança do mundo no coração.

Não julgo os outros por mim, pela minha forma de encarar a vida. Nem gosto que ninguém o faça. Tenho uma forma tão particular de enxergar as coisas e as pessoas, que mais de um amigo já disse que não sou normal. E acho que não sou mesmo. E gosto de ser assim. Gosto de ser diferente. Não transgressora, apenas diferente.

Se eu tento – e já tentei – me enquadrar em algum padrão, me violento. Não sou eu. Não posso seguir um manual. Sou instintiva. Há quem saiba disso melhor que eu, que já sentiu demais esse traço da minha personalidade. Se foi bom ou ruim? Depende se no dia eu era luz ou trevas.


Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Memórias natalinas

A Jornada de Renata Quintela ♥

Levando para a semana que começa a energia inspiradora da descoberta rica e preciosa da semana que acabou. ♥
A Jornada de Renata Quintella

Para Bertoli...

“A maior distância que eu já percorri foi entre minha cabeça e meu coração.”
- Tadashi Kadomoto


Lembro que eu queria surtar. De verdade. Queria surtar para que me internassem e me deixassem em paz. Para que não me cobrassem nada, para que não me pedissem nada, para que não falassem comigo. Queria adoecer meu corpo e tentei de várias formas conseguir isso. Só para ficar em paz.

Queria paz. Algo tão caro, tão importante, tão simples, tão perto e tão distante.

Recordo o dia em que encontrei a paz. Eu ria. Chorava e ria. Nascia leve e feliz. O sofrimento? A dor? Tudo havia ficado para trás. Eu era apenas aquela sensação de amor – por mim mesma, a quem nunca havia amado.

Agora, eu já podia abraçar o mundo! Podia concretizar meus sonhos. Podia amar a mim e não só os outros. Sabia e sentia o significado das coisas. Podia seguir meu caminho e viver a minha vida.

O encontro com o AMOR INCONDICIONAL... Foi marcante. De repente eu era a forma de amor que aquele ser humano tanto quis e nunca encontrou.…