Pular para o conteúdo principal
Às vezes me sinto uma extraterrestre vivendo em sociedade. Não consigo me enquadrar no molde “devo agradar os outros” ou “tenho medo de as outras pessoas não gostarem de mim se...”.

Eu fui assim. Horas e horas desperdiçadas tentando agradar os outros, com receio de não ser aceita por não gostarem da minha aparência, das minhas opiniões, dos meus desejos, dos meus sonhos.

O curioso é que, em várias situações, o ser que eu fui e que se transformou em quem eu sou quer gritar aos outros que não cometam os mesmos erros, que não enveredem por esse caminho, porque mais tarde irão descobrir que estavam errados. Será? Talvez algumas pessoas jamais enxerguem e vivam infelizes para o resto de suas vidas. Ou talvez consigam ser felizes, vivendo a mercê dos desejos dos outros, pois julgam que estão na verdade seguindo seus desejos.

Certo e errado é tão relativo. A minha visão de mundo é muito diferente da maioria. Muito pessoal. Temos o livre arbítrio, portanto não posso impor meu modo de ver as coisas aos outros. Da mesma forma como não gosto que me imponham nada. Às vezes desejamos poupar os que amamos de sofrimentos que julgamos dispensáveis. E esquecemos que é esse o caminho do crescimento.
Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Memórias natalinas

A Jornada de Renata Quintela ♥

Levando para a semana que começa a energia inspiradora da descoberta rica e preciosa da semana que acabou. ♥
A Jornada de Renata Quintella

Para Bertoli...

“A maior distância que eu já percorri foi entre minha cabeça e meu coração.”
- Tadashi Kadomoto


Lembro que eu queria surtar. De verdade. Queria surtar para que me internassem e me deixassem em paz. Para que não me cobrassem nada, para que não me pedissem nada, para que não falassem comigo. Queria adoecer meu corpo e tentei de várias formas conseguir isso. Só para ficar em paz.

Queria paz. Algo tão caro, tão importante, tão simples, tão perto e tão distante.

Recordo o dia em que encontrei a paz. Eu ria. Chorava e ria. Nascia leve e feliz. O sofrimento? A dor? Tudo havia ficado para trás. Eu era apenas aquela sensação de amor – por mim mesma, a quem nunca havia amado.

Agora, eu já podia abraçar o mundo! Podia concretizar meus sonhos. Podia amar a mim e não só os outros. Sabia e sentia o significado das coisas. Podia seguir meu caminho e viver a minha vida.

O encontro com o AMOR INCONDICIONAL... Foi marcante. De repente eu era a forma de amor que aquele ser humano tanto quis e nunca encontrou.…