Agradecimento I

Quando restarem apenas lembranças distantes, se já não o são. Quando as músicas forem apenas músicas – e algumas já são. Quando não houver resquícios do que foi, se é que se pode dizer que foi algo algum dia, restará gratidão.

Sou grata porque eu finalmente voei. Porque acreditei, sobretudo, em mim. Porque busquei melhorar. Pelas borboletas no estômago. Pelos gostos compartilhados. Pelos sorrisos. Pelas lágrimas. Porque cresci.

Sou grata pela viagem mais fantástica e importante que fiz: a minha viagem rumo ao autoconhecimento. Porque hoje sei quem sou e porque sou. Porque sei que desejo e o que não desejo para minha vida. Porque a poesia que vejo hoje é concreta e não abstrata.

Obrigada. E espero ter agradecido à altura. Mesmo que você nem saiba. Eu fiz minha parte.
Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Meu aprendimento

Para Bertoli...