Pular para o conteúdo principal

Parabéns, Sampa!!!

Tanta coisa para dizer e eu não sei o que escrever, por onde começar.

Sou plural demais... é verdade! Dentro de mim mora o mundo!!! E isso nem sempre é bacana.

Seria mais simples deixar as palavras fluirem. Simplicidade. Era isso que eu queria para escrever. Nada de superlativos, idéias brilhantes, palavras rebuscadas.

Posso começar dizendo que hoje é aniversário da minha cidade querida - que é tão parecida comigo e tão diferente ao mesmo tempo. Ah! E que está chovendo, para comemorar a data reafirmando que aqui é a "terra da garoa".

Continuando...

São Paulo é tão parecida comigo por sua pluralidade. Abriga o mundo. Abriga vários conceitos. Vários povos. Vários idiomas. Várias culturas. Diversas possiblidades. São tantos sons, cheiros, gostos diferentes. Arte e lixo morando lado a lado. Riqueza e pobreza. Daslu e Paraisópolis. Grandiosidades.

Dentro de mim mora uma São Paulo. Chopin e Chiclete com Banana. Sashimi e saparatel. Clarice Lispector e Stephanie Meyer (me rendi a série Crepúsculo!). Vitrine e A Favorita. Encontros casuais e romance. Cinema Paradiso e Sessão da Tarde. Isso só para citar algumas coisas.

Mas, São Paulo não pára mesmo! E eu gosto de parar. Gosto de me sentar, como fiz ontem, enquanto esperava uma amiga, numa mesa de bar e observar os carros e as pessoas que passavam. Adoro parar e contemplar. E isso é tão difícil em São Paulo. Combina com o mar, com o verde do campo. Até nossos parques não são lugares de descanso. São lugares para desviar dessa e daquela pessoa, para que o passeio "saúde" não acabe num esbarrão, que pode virar discussão, porque - característica máxima de paulistano - tudo é motivo de estress.

Eu amo a minha cidade! É verdade. De todo coração. Me orgulho de ser paulistana da Barra Funda com o mais puro sangue nordestino correndo nas veias! Quer coisa mais paulistana que isso?

É... no final até saiu alguma coisa. Queria fazer isso mais vezes. Todos os dias. Queria escrever muito mais do que faço.
Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Memórias natalinas

A Jornada de Renata Quintela ♥

Levando para a semana que começa a energia inspiradora da descoberta rica e preciosa da semana que acabou. ♥
A Jornada de Renata Quintella

Para Bertoli...

“A maior distância que eu já percorri foi entre minha cabeça e meu coração.”
- Tadashi Kadomoto


Lembro que eu queria surtar. De verdade. Queria surtar para que me internassem e me deixassem em paz. Para que não me cobrassem nada, para que não me pedissem nada, para que não falassem comigo. Queria adoecer meu corpo e tentei de várias formas conseguir isso. Só para ficar em paz.

Queria paz. Algo tão caro, tão importante, tão simples, tão perto e tão distante.

Recordo o dia em que encontrei a paz. Eu ria. Chorava e ria. Nascia leve e feliz. O sofrimento? A dor? Tudo havia ficado para trás. Eu era apenas aquela sensação de amor – por mim mesma, a quem nunca havia amado.

Agora, eu já podia abraçar o mundo! Podia concretizar meus sonhos. Podia amar a mim e não só os outros. Sabia e sentia o significado das coisas. Podia seguir meu caminho e viver a minha vida.

O encontro com o AMOR INCONDICIONAL... Foi marcante. De repente eu era a forma de amor que aquele ser humano tanto quis e nunca encontrou.…